Água suja e fétida incomoda moradores do Maria Augusta, em Itaquá

Nível do Rio Tietê sobe e moradores são obrigados a buscarem abrigo em casa de familiares

Por Gabriel Dias / Foto: Bruno Arib

Carla Barreto, de 37 anos, mora na rua Padre Anchieta, no bairro Maria Augusta, em Itaquaquecetuba, há mais de dois anos. Ela, junto com esposo e filhos, saiu do bairro Alto do Botujuru, em Mogi das Cruzes, em busca de uma vida melhor, no entanto, o cenário que a família encontrou foi completamente diferente do que imaginaram.

Hoje (14), a GAZETA encontrou a rua de frente com a casa de Carla coberta por uma fina lâmina d’água devido os dias chuvosos que contribuíram para que um dos braços do rio Tietê subisse, represando a água suja e de forte cheiro.

O represamento da água, segundo Carla, já dura cerca de um mês, e para caminhar nas calçadas, os próprios moradores improvisam com tapumes e restos de madeiras. “Colocamos restos de madeira em cima d’água para poder pisar, mas mesmo assim molhamos nossos pés”, fala.

INUSITADO – Mesmo em meio ao problema que assola os moradores do bairro, Carla revela que quando a água do rio Tietê sobe, vizinhos realizam até pescarias. “Por incrível que pareça, até peixe aparece quando aqui alaga. Tem gente que mora do outro lado do bairro que pesca baldes e mais baldes de peixe”, lembra Carla.

CRIANÇAS – Enquanto a reportagem realizava as filmagens, crianças brincavam atirando pedras na água. Ao longe, outra moradora do bairro caminhava à beira da calçada onde a água não tinha chegado carregando trouxas de roupas. “Ela está tirando tudo de dentro da casa dela para não perder por conta da água que sobe. Parece que vem mais chuva por aí”, alerta a dona de casa.

Atingida pela enchente, moradora busca abrigo na casa de familiares

OUTRO LADO – Em resposta a esse e outros casos semelhantes, a Prefeitura de Itaquaquecetuba alega que cobrou explicações ao DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica) sobre a demora do escoamento da água pelo Rio Tietê, situação esta que atinge os bairros Vilas Japão, Maria Augusta, Sônia e Jardim Fiorello, no município, neste período de chuvas intensas. Ainda de acordo com a prefeitura, os alagamentos são constatados na cidade devido à falta de escoamento nos bairros da zona leste da Capital, como São Miguel Paulista e Guarulhos.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *