Após licitação, Fábia Porto escolhe serviço mais caro para Santa Isabel

Gestão opta por empresa que deu maior valor e descarta opções mais acessíveis

Por Gabriel Dias / Foto: Bruno Arib/Reprodução

PROCESSO – Ata mostra que a empresa Tulio Martello foi desclassificada já na pré-classificação

A empresa Tulio Martello, de Guarulhos, pode ser a vencedora de uma licitação em Santa Isabel pelo valor de R$ 90 mil. Ela terá que fornecer caminhão pipa para a zona rural da cidade, que, segundo informações, sofre com abastecimento de água.

Mesmo desclassificada ainda na primeira fase do processo licitatório, como consta na ata da sessão, a Tulio Martello terminou como vencedora. Dentre outros fatos, a empresa ofereceu o valor mais alto entre as cinco concorrentes, cerca de R$ 18,8 mil a mais do que a primeira colocada na primeira fase, a Mais Águas Serviços Multiserviços.

Segundo o especialista em Administração Pública, Álvaro Nicodemus, “a Prefeitura de Santa Isabel teria que contratar a empresa que ofereceu o menor valor”, disse, mas, não foi o que aconteceu. Ainda na primeira fase da licitação, as empresas Tulio Martello e a Center Leste, que deram seus valores de serviço para o fornecimento de caminhões pipa para Santa Isabel, foram desclassificadas, restando apenas três empresas, a Mais Águas, Caesa Comércio de Materiais para Construção e Destine Soluções e Serviços.

As três entidades que passaram para a segunda fase da licitação ofereceram novos valores para o serviço, dessa vez ainda mais baixos do que na primeira. A Caesa, por exemplo, na primeira fase, executaria o trabalho por R$ 90 mil, mas, na segunda chamada, baixou o preço para R$ 65,8 mil, ficando em primeiro lugar.

A empresa Mais Água, na primeira fase, deu o preço de R$ 75 mil, mas na segunda fase, diminuiu para R$ 66,4 mil.

Já a Destine Soluções disse que forneceria caminhão pipa por R$ 80,5 mil, no entanto, na segunda fase, ela não baixou o preço, sendo a única empresa a manter o valor inicial.

SUSPEITA – Embora outras empresas tenham apresentado valores mais acessíveis para atuar na cidade com caminhão pipa, a prefeitura optou por escolher a Tulio Martello, que já havia sido desclassificada e que deu o maior preço de todas, R$ 93,8 mil.

Sem entender o que estava acontecendo, a Center Leste e a Destine Soluções entraram com pedido de impugnação contra o fato de a empresa de Guarulhos ter ganhado a licitação.

Como forma de inabilitar as empresas que tinham interesse em trabalhar na cidade por valores mais acessíveis, a prefeitura passou a inabilitar estas entidades, justificando que, em cada uma delas, havia irregularidades.

A Caesa, que ofereceu o menor preço de todas, foi descartada pela prefeitura porque não havia assinatura em um dos documentos apresentados no dia da escolha das empresas.

Procurada, a Center Leste disse que foi desclassificada devido a um erro de digitação, acrescentando que “é tudo muito suspeito.”

E assim foi com as outras entidades, menos com a Tulio Martello, cuja documentação, segundo a Center Leste, também continha erros. “Eles não apresentaram atestado de capacidade técnica”, afirmou a diretoria da empresa.

A GAZETA entrou em contato com a empresa Caesa, no entanto, ninguém falou sobre o caso. Também fez contato telefônico com a empresa Tulio Martello, e o próprio Tulio disse que a reportagem deveria procurar a prefeitura para tratar sobre o caso.

PREFEITURA – Questionada sobre o que fez a prefeitura escolher a Tulio Martello como vencedora da licitação, sendo que além de ser desclassificada, foi a que ofereceu o maior valor de serviço, a gestão de Fábia Porto (PRB) se isentou da responsabilidade de responder os fatos, e apenas disse que a reportagem deveria coletar informações no Portal da Transparência.

Novamente questionada se a cidade atravessa mais uma crise de abastecimento de água, e se por isso realizou a licitação para caminhões pipa, a prefeitura se calou.

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.