Arujá continua sem INSS

Prefeitura doa terreno com mina d’água e empresa erra no projeto; Obra segue atrasada

  

Por Gabriel Dias / Foto: Gabriel Dias

 

O prazo para entrega do prédio do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) de Arujá era para ser no mês de setembro de 2018, no entanto, a data foi remarcada para maio de 2019 devido alguns erros na construção do prédio.

Segundo o próprio INSS, a maior responsável pelo contratempo é a empresa WRP Construtora Eirelli (sediada na Capital Paulista). O órgão também disse que as falhas cometidas na execução da obra apresentam riscos à segurança da edificação e que, por conta disso, a data de entrega precisou ser revista.

Outro fator citado pelo Instituto Nacional foi o terreno doado pela Prefeitura de Arujá, onde havia, segundo eles, uma mina d’água que precisou ser drenada para que as obras pudessem continuar. Diante destes fatores, a construção sofreu aditivos somando-se à casa dos R$ 10 mil, chegando a R$ 1,634 milhão.

Quem mora no Bairro Vila Riman, onde acontece a construção do prédio, diz que o local estava pronto, mas precisaram quebrar parte da estrutura.

Manoel Sobrinho, de 75 anos, mora em Arujá e é aposentado, mas segundo ele, o fato de ter uma unidade do INSS na cidade não o ajuda em nada. Na opinião de Sobrinho, o novo prédio vai servir para aqueles que ainda vão se aposentar: “Difícil é ver que, quando se trata de obras públicas, o descaso de empresas é grande, já era para o prédio estar pronto”, opina.

O INSS ressalta que ontem (18) um novo aditivo que amplia o prazo para entrega da obra foi assinado, e que por conta dos erros da WRP Construtora Eirelli, a mesma será investigada pelos motivos que levaram a falhar no projeto.

   

OUTRO LADO – A reportagem da GAZETA ligou para a construtora responsável pela obra do prédio do INSS, em Arujá, mas até o fechamento desta edição, ela não atendeu aos contatos.

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.