Campanha feita pelas redes sociais: candidatos investem no Facebook

GAZETA levantou os gastos com impulsionamento de conteúdo de seis políticos da região

 

Por Giovanna Figueiredo / Fotos: Divulgação

A internet faz parte da vida de grande parte dos brasileiros, tanto para trabalhar, quanto para se divertir e estudar. Nessas eleições, as redes sociais tiveram papel fundamental na campanha dos candidatos em todas as esferas, inclusive no Alto Tietê.


Esse foi o primeiro ano em que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) permitiu que os candidatos efetuassem o impulsionamento de conteúdo no Facebook para fins eleitorais. A rede social, que hoje é a maior do mundo, só no Brasil possui mais de 127 milhões de usuários. E a maioria dos candidatos analisados pela GAZETA optou pelo meio para realizar sua campanha.


A reportagem realizou um levantamento dos gastos de campanha no Facebook de três políticos que disputaram o cargo de deputado estadual e três que tentaram uma cadeira como deputado federal. Confira no quadro as informações de prestação de contas inseridas por cada um dos candidatos no Portal Divulga Cand, do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), até sexta-feira (12).

 

ESTADUAIS – Os candidatos a deputado estadual Alessandra Monteiro (REDE), Caio Cunha (PV) e Lucas Costa (PATRIOTA), o Lucas do Liceu, são figuras conhecidas no Facebook. Se somados os números de seguidores das páginas oficiais do trio, são mais de 107 mil pessoas. Apesar da utilização da internet, nenhum deles se elegeu deputado.


A candidata que menos gastou em sua campanha no Facebook foi Alessandra Monteiro, que investiu R$ 500. Por outro lado, quem mais investiu foi Lucas do Liceu: mais de 97% dos gastos do itaquaquecetubense foram em impulsionamentos, um total de R$13,9 mil.


Quando indagado sobre a importância da internet em sua campanha, Lucas do Liceu disse que a internet é uma ferramenta de auxílio que permite uma proximidade direta e humanizada com os eleitores. Segundo ele, as ações nas redes permitiram o alcance de mais de um milhão de pessoas. “Esta eleição foi um marco da nova política e comprovou a força das mídias sociais. Seguramente não haverá mais eleição sem a presença do candidato em canais de mídia como Facebook e Instagram, por exemplo”, prevê.

 

FEDERAL – Marco Bertaiolli (PSD), Junji Abe (MDB), e Juliana Augusto Cardoso (PR) foram os candidatos a deputado federal analisados pela reportagem. Dentre eles, Bertaiolli foi o que mais gastou com impulsionamentos: R$ 29 mil. Dos três, apenas ele se elegeu.


Junji Abe optou por investir mais nas mídias tradicionais e impressas, destinando apenas 1,8% de seus investimentos para impulsionamentos na internet e 14% em propaganda impressa.


Sobre a comparação da mídia eletrônica com as propagandas impressas, Junji declarou: “Uma não substitui a outra. Penso que elas se complementam. Sempre associadas com o bom e velho corpo a corpo, realizado em reuniões, visitas, caminhadas etc. Ressalto que é fundamental o trabalho da imprensa, como órgão imparcial que apura e checa a veracidade das informações, antes de divulgá-las, merecendo credibilidade e respeito.”