Carlos Evaristo presidente da Câmara de Mogi faz balanço de mandato

Parlamentar encerra ano já planejando ações para 2019

   

Por Lailson Nascimento / Foto: Rodrigo Niemeyer/CMMC

   

No curso do 4º mandato como vereador, Carlos Evaristo (PSD) chega ao final de mais um ano na Câmara Municipal de Mogi das Cruzes com o mesmo vigor de quando iniciou a atuação política, em 2005. Pelo menos é o que ele afirmou na segunda-feira (3), quando concedeu entrevista à GAZETA para fazer um balanço dos trabalhos de 2018. Perguntado sobre o que a população ainda pode esperar de seu mandato, ele foi enfático: “Dedicação total, como fiz nos últimos 14 anos de mandato.” Confira trechos da entrevista:

Gazeta Regional (GR): Vereador, em quais Comissões Permanentes o senhor está atuando neste ano?

Carlos Evaristo: Sou presidente da Comissão Permanente de Obras e Habitação e da Comissão de Assistência Social, Direitos Humanos, Igualdade Racial, Pessoa com Deficiência, Criança, Adolescente, Juventude e Idoso.

GR: E quais são os destaques de cada uma delas?

Evaristo: Vamos separar por partes. Na Comissão de Obras foi um trabalho mais tranquilo porque a função da comissão, além de dar os pareceres nos projetos que vêm do Executivo, é fiscalizar as obras públicas que estão em andamento. Este ano não tivemos muitas obras, porém as que estão em andamento nós tivemos o cuidado de fiscalizar, de acompanhar, como é o caso da Avenida das Orquídeas, que está em andamento, nós tivemos algumas creches que estão sendo construídas, além de verificar a qualidade das obras que já foram entregues. Temos também o trabalho de limpeza, reorganização e modernização da rede elétrica e de telefonias. É um trabalho que a comissão de Obras tem fiscalizado e arbitrado, delimitando as áreas onde serão feitas a limpeza, cobrando dos compartilhantes que os serviços sejam feitos. Somos uma das únicas cidades da região que têm esse trabalho, cujas atividades foram iniciadas em 2013, um projeto de minha autoria. Até o momento as ações já foram realizadas em 2.200 logradouros e 20.799 postes, o que equivale a respectivamente 51% e 41%, do total no município. Na verdade é um acompanhamento, porque o trabalho não vai cessar nunca.

GR: E na Comissão de Assistência Social, o que o senhor destacaria?

Evaristo: Também vamos separar por partes, pois houve um trabalho mais intenso nesta comissão.

GR: Um dos trabalhos foi o atendimento aos moradores em situação de rua.

Evaristo: Exato, atuamos bastante na questão dos moradores em situação de rua. Nós estávamos com um problema grave em relação a esse assunto e a Comissão fez uma mediação entre o poder público e essa parcela da população. Conversamos com os representantes dos moradores de rua, com a Comissão de Assistência Social, com a Secretaria de Segurança, fizemos esse elo e chegamos a uma solução. Conseguimos sem violência, sem confronto, com que os moradores voltassem para as suas residências, que alguns fossem para os centros de apoio, e lógico, têm alguns que não aceitam e têm a liberdade constitucional de ficar onde eles desejam. Mas o poder público tem que dar uma resposta para a sociedade que reclama o espaço público.

GR: O trabalho continua?

Evaristo: A Comissão tem na sua nomenclatura a questão dos Direitos Humanos, então nós tratamos as pessoas como pessoas, como seres humanos, não como número, como uma limpeza, aquela política higienista que só quer tirar eles dos olhos das pessoas. Por isso, temos buscado a ressocialização. Há muitos moradores em situação de rua, mas a cidade tem desenvolvido trabalhos com o objetivo de ajudar. O que é oferecido ainda é limitado, insuficiente diante da demanda. Mas o poder público tem procurado fazer sua parte.

GR: Quais outros pontos importantes da Comissão?

Evaristo: Para os idosos estamos batalhando para ter mais recursos para o setor. Como a prefeitura vai abrir um novo Centro Dia do Idoso, estamos trabalhando junto com a Comissão de Finanças e Orçamento para canalizar um pouco mais de recursos para o desenvolvimento desse trabalho. Também mediamos conversas em relação aos abrigos de crianças e adolescentes, cujos locais estavam com problemas de superlotação e de relacionamentos, desobediência, entre outros.

  

Vereador relembra trabalho na Presidência

Em 2017, Carlos Evaristo esteve na presidência da Câmara Municipal de Mogi das Cruzes. Embora considere como uma tarefa difícil, principalmente devido às exigências do MP-SP (Ministério Público) e do TCE-SP (Tribunal de Contas), o balanço também é positivo: “Ao final da nossa gestão acabamos economizando R$ 5,5 milhões, pois não pedimos os R$ 5 milhões suplementares, valor ao qual tínhamos direito, e devolvemos R$ 500 mil do orçamento inicial.”

Evaristo também destacou outras ações, tais como a conclusão de concurso público; implantação de portal da transparência no site do legislativo; diminuição dos valores de diversos contratos; entre outras atividades.

“Na questão do portal, por exemplo, não é tão simples quanto as pessoas pensam. A maior dificuldade era colocar os salários dos servidores, e eu coloquei no ar, tive essa coragem. Hoje está 100% no ar, as pessoas têm todo o tipo de informações e isso foi implantado na minha gestão. Enfim, toda a gestão foi pautada nas recomendações do Tribunal de Contas e do Ministério Público. Dentro do legislativo o presidente precisa entender que não consegue fazer as cosias sozinho, ele tem que conversar com os pares. E foi o que a gente fez. Os colegas nos ajudaram, especialmente os ex-presidentes”, concluiu.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *