Com 98% de conclusão de obra, o piscinão já traz paz para o poaense

No primeiro dia do ano, reservatório evitou a circulação de 180 milhões de litros de água na área central

  

Por Lailson Nascimento / Foto: Flávio Aquino – Divulgação

  

Há três anos, quando os poaenses escolhiam prefeito para o 20º mandato, a maioria tinha ao menos um ponto em comum para cobrar do próximo eleito: a solução para as enchentes que arrasavam a área central da cidade. Ciente da demanda, o escolhido Gian Lopes (PR), que mora na cidade há 40 anos e conhece o problema de perto, em dois anos de mandato tem conseguido dar andamento à construção do piscinão da Vila Romana, maior obra do município e da região para esta finalidade.

Em entrevista, que pode ser conferida na página 8, Gian responde com satisfação quando questionado pela reportagem sobre qual foi o seu principal feito nesse período em que está à frente da Prefeitura de Poá. “Meu maior feito foi combater as enchentes. A cidade de Poá era, talvez, a que mais sofria na região. E, este ano, apesar de ter registrado um dos maiores volumes de chuva dos últimos anos, nós não tivemos enchentes no município porque colocamos como prioridade o combate a esses problemas, que são históricos na cidade.”

Embora ainda restem 2% de obras a serem concluídas, o reservatório já tem ‘protagonizado dias de tranquilidade’ aos moradores de Poá. Desde dezembro de 2018, quando os índices de chuvas aumentaram na região e arrasaram cidades vizinhas, o município não registra ‘tragédias’ como as ocorridas em anos anteriores.

Na madrugada do dia 1 de dezembro de 2018, por exemplo, o local recebeu cerca de 60 milhões de litros de água. Já na noite de 1 de janeiro de 2019, mais de 180 milhões de litros de água retidas no piscinão. Era um bom sinal de que os outros 364 dias do ano seriam mais tranquilos, como de fato têm sido. Dentre os motivos, a determinação do prefeito em iniciar o funcionamento das bombas antes mesmo da conclusão da obra.

Segundo Gian, o piscinão tem 14 metros de profundidade e capacidade de armazenar até 210 milhões de litros de água. Também sete bombas para a drenagem, sendo que seis delas são de alta capacidade, com vazão de 500 litros por segundo, e uma de menor potência para auxílio na retirada da água acumulada abaixo de meio metro de profundidade.

“Estamos trabalhando muito para que a população de Poá não sofra mais. E a entrega do piscinão é crucial. No entanto, também fizemos um grande trabalho na cidade com as equipes da Secretaria de Serviços Urbanos e felizmente não registramos nenhum problema grave no município nos últimos dois anos”, concluiu o prefeito.