Com nova mesa, Câmara de Itaquá será uma das únicas independentes do Alto Tietê, diz Santiago

Vereador ocupará o cargo de 2º vice-presidente

  

Por Lailson Nascimento / Foto: Divulgação

  

Dos membros da nova Mesa Diretora da Câmara Municipal de Itaquaquecetuba, apenas o vereador Carlos Alberto Santiago (PSD) tinha cargo de direção anteriormente – era vice-presidente da Casa de Leis.

Questionado sobre porque compôs com o G-10, que elegeu Edson Rodrigues (Pode), o Dr. Edson, ele argumentou que o grupo demonstra “uma vontade de renovação”. “Eu me mantive [na mesa] porque meu pensamento se encaixa exatamente com o dessa nova mesa, que é representar com respeito a população dessa cidade.”

Segundo Santiago, a ideia é agrupar, mostrar força e provar ao governo que a nova mesa não quer ser uma simples oposição. “Pelo contrário, a gente quer representar a população com respeito que a Câmara de Vereadores merece.”

O parlamentar também opinou sobre a “derrota” dos indicados do prefeito Mamoru Nakashima (PSDB). “Sem dúvida nenhuma [foi uma derrota], porque você pega as Câmaras na região e vê que na maioria houve articulações de grupos da oposição, mas o governo acabou permanecendo. Itaquá vai ser uma das únicas que o governo perdeu a Câmara”.

   

FUTURO – Com a formação de um novo grupo nos últimos dois anos de mandato, especulações sobre apoios para a campanha de 2020 já começam a circular nos bastidores da política itaquaquecetubense.

Santiago também reconheceu que o grupo pode permanecer unido até as próximas eleições. “Eu acredito sim, tanto é que fizemos conversas nesse sentido. A ideia é que o grupo se mantenha, que só cresça para que possamos rumar a 2020 com mais força, mais agrupado. O objetivo é fazer um grande trabalho para chegar bem em 2020. Estamos muito alinhados, os princípios são os mesmos, e hoje o que a gente decidiu é fazer o bem pela cidade”, concluiu.