Como os deputados eleitos por Itaquá votarão a reforma da previdência?

Por Lucas Landin 

 

A reforma da Previdência é a pauta do dia no Congresso Nacional. Inspirada no regime de capitalização, aplicado no Chile pelo sanguinário ditador Augusto Pinochet nos anos 1970, a proposta apresentada pelo Governo Bolsonaro irá beneficiar fortemente os bancos privados e prejudicar os mais pobres.

Sendo assim, é prudente alertar: nenhum dos dez deputados federais mais votados em Itaquaquecetuba se manifestou contra essa proposta. Segundo levantamento do Valor Econômico, Eduardo Bolsonaro (PSL), Joice Hasselmann (PSL) e Guilherme Mussi (PP) são a favor da reforma da Previdência. Mussi é o único deles que é daqui da região, e foi apresentado à cidade pelo delegado Eduardo Boigues, também do PP, que o apoiou nas eleições passadas.

Tiririca (PR), Marco Feliciano (PODE), Celso Russomanno (PRB), e Milton Vieira (PRB) ainda estão indecisos. Os regionais Marco Bertaiolli (PSD), Márcio Alvino (PR) e Kátia Sastre (PR), também não decidiram ainda como irão votar a reforma.

Aqui eu menciono Itaquá, uma das mais pobres cidades do Estado, porque ela será muito impactada com as alterações previdenciárias. Você já pensou como a economia local vai se manter no futuro, sem parte da aposentadoria dos mais velhos, das pensões das viúvas, e do benefício BPC/LOAS? Os comerciantes já pensaram no impacto disso em suas vendas? E os prestadores de serviço, já se imaginaram perdendo parte da renda?

Pois bem, parece que nenhum dos deputados mais votados nessa cidade está pensando nisso. Afinal, nenhum deles é daqui mesmo. Por isso que, nas eleições, é importante não votar em A, B ou C só porque esse trouxe emendas, ou porque ele é apoiado por uma figura local. Ou você vota em alguém que tenha ideias que você acredite, ou depois esse voto terá consequências negativas para sua vida e para sua cidade.