Fábia Porto errou com empréstimo de R$ 7 milhões, dizem adversários

GAZETA ouviu pré-candidatos a prefeito

  

Por Gabriel Dias / Foto: Bruno Arib 

  

O empréstimo de R$ 7 milhões que Fábia Porto (PRB) fez logo no início de 2019 gerou críticas da classe política de Santa Isabel. Na mira da Justiça por suposto desvio de verba pública e agora alvo de um grupo de vereadores que fazem oposição ao seu governo, Fábia vai deixar, com esse empréstimo, uma dívida milionária para as próximas gerações de prefeitos, que deverão reembolsar aos cofres federais o valor de R$ 14,4 milhões.

O empréstimo milionário prevê o asfaltamento de 25 ruas da cidade, o equivalente a 8 km. Desde 2017, Fábia Porto conseguiu asfaltar apenas sete ruas, e para isso, precisou gastar R$ 2,2 milhões.

A manobra financeira feita pela gestão da atual prefeita divide opiniões na cidade, principalmente de eventuais candidatos a prefeito de Santa Isabel que foram ouvidos pela GAZETA.

  

CARLOS CHINCHILLA

Não faria [empréstimo de R$ 7 milhões]. Existem outras ruas que precisam de asfalto, guias e sarjetas. A cidade precisa melhorar sua mobilidade urbana e não concordo com o fato de destinar recursos sem pensar na verdadeira necessidade, por exemplo, quando ainda existem alunos com dificuldade de chegar nas escolas devido estradas ruins.

Pior é saber que empréstimos desse tipo ainda sofrerão juros bancários e que serão pagos pelos contribuintes, onerando também os cofres públicos. É uma irresponsabilidade.

Houve queda na arrecadação, na dívida da previdência, poucos recursos em caixa, o descontrole com gastos com pessoal e contratos desnecessários. Houve aumento absurdo com cargos de confiança, credores e fornecedores.

s apontamentos do Tribunal de Contas de São Paulo (TCE-SP) confirmam que a estimativa de déficit em tempos atuais será de R$ 10 milhões.
Em vista, as manutenções das ruas precisam ser inclusas nas leis de orçamento, estabelecendo um calendário para ações urgentes e rotina como tapa-buracos e recapeamento emergencial.

É utopia crer que, com recursos próprios, as estradas de Santa Isabel serão asfaltadas. É preciso contar com ajuda dos deputados da região. Os próximos prefeitos deverão respeitar as leis e governar com base na população.

Lembrando que já existe uma crise financeira e é evidente também a crise política. Mas, creio que o pior de todas as crises seja a crise de credibilidade.

  

TI NAGATE

Votei contra e sou contra, esse projeto e esse empréstimo precisam de mais atenção. Asfalto todo mundo de Santa Isabel precisa, por outro lado, o documento que foi aprovado na Câmara não foi discutido com clareza, muito menos a prefeita [Fábia Porto] nos procurou para explicar como funcionaria tal iniciativa. O Executivo pecou e não teve a delicadeza e o cuidado de fazer reuniões para ouvir opiniões diferentes, mesmo sabendo que nesta Casa de Leis existe oposição.

A cereja do bolo está nos valores milionários do empréstimo. É preciso ressaltar que no início do mandato (2017), o saldo em caixa da prefeitura era de aproximadamente R$ 9 milhões, isso daria para recapear e até asfaltar muitas ruas da cidade sem precisar recorrer a essa iniciativa milionária.

Se o empréstimo é importante agora, ele também seria importante no começo do mantado, lá atrás. A conta desses R$ 7 milhões quem vai pagar é o povo, com juros. Não houve planejamento. Em Santa Isabel não há apenas 25 ruas, existem outras ruas que precisam ser asfaltadas e não estão na mira desse projeto. Repito, não havia a necessidade de fazer esse empréstimo com o que a prefeitura tinha em caixa em 2017.

Se olharmos no orçamento da cidade, não vamos encontrar déficit ou crise. Só apenas um projeto e um empréstimo desajustado.

 

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.