Gerando Falcões: ‘Nós não temos esperança, nós somos a esperança’

A ONG Gerando Falcões, com sede em Poá, diz que sua missão é levar a favela para o mundo

Por Giovanna Figueiredo / Fotos: Bruno Arib

“Não importa de onde você veio, mas para onde vai”. Esse é um dos principais lemas do Instituto Gerando Falcões, que tem como missão levar a atual favela para o museu e erguer territórios marcados pela cidadania e dignidade. A organização tem uma unidade em Poá, onde todo o trabalho começou.

A GAZETA esteve na sede da ONG, que fica no bairro Cidade Kemel. A equipe de reportagem foi recebida pela Gerente de Novos Negócios da instituição, Amanda Boliarini, que contou um pouco de como foi o início do projeto e qual o objetivo do grupo.

“Eu conheci o Edu Lyra (fundador da ONG) através de um amigo, e ele estava escrevendo o livro “Jovens Falcões”. Ele precisava de alguém para diagramar o livro, e eu sou designer gráfica. A proposta que ele me fez foi: ‘Olha, eu não posso te pagar, mas para onde eu for tu vai comigo.’ Eu abracei a causa e me tornei a primeira voluntária da Gerando”, explicou Amanda.

Isso aconteceu em 2011, e em seguida eles acreditaram que quem precisava ler os livros eram os jovens da periferia, então começaram a vender de porta em porta e, com o dinheiro da venda do livro, deram início ao trabalho da intuição. A princípio eles ofereciam palestras de Edu Lyra nas escolas, posteriormente o rapper Lê Maestro começou a integrar a equipe, criou-se o projeto ‘MCs pela Educação’, que leva mensagens de ostentação da educação para as escolas.

Atualmente a ONG está com cinco unidades, sendo elas: Poá; Vila Prudente; Vila Nova Cachoeirinha – inaugurada no mês passado em parceria com o Instituto Resgatando Vidas -, além de Maceió, no Estado de Alagoas, em parceria com o projeto Manda Ver; e em São José do Rio Preto, em parceria com As Valquírias.

A Rede Gerando Falcões oferece projetos focados em esporte e cultura para crianças e adolescentes e qualificação profissional para jovens e adultos, sendo um motor de geração de renda para famílias, inclusive egressos do sistema penitenciário.

ESTRUTURA – Projeto oferece oportunidade aos jovens da periferia

ESPERANÇA – “Nós não temos esperança. Nós somos a esperança”. Esse é outro lema da rede, que acredita e luta diariamente para mostrar para os jovens e crianças da periferia que eles podem chegar aonde quiserem e o caminho para isso é a educação.

Bruna Ribeiro, 19 anos, foi aluna da Gerando e hoje é jovem aprendiz dentro da organização. Ela conta que não sabia muito bem o que queria fazer da vida e a Gerando foi um divisor de águas. “Eu entrei aqui e não sabia o que eu queria e nem do que eu gostava, e a Gerando me ajudou a descobrir isso”, explicou Bruna.

POÁ – A cidade teria sido escolhida por Edu Lyra para ser a primeira sede da ONG porque foi o lugar onde cresceu e passou boa parte de sua vida. Na cidade, a rede oferece cursos profissionalizantes e tem polo cultural e esportivo na Escola José Antonio Bortolozzo. Além disso, há também o projeto Recomeçar, que visa a reinserção social de ex-presidiários (as).
Uma cooperativa de costureiras localizada no município também tem o respaldo da Gerando, que oferece todo maquinário e ajuda em contato com clientes.

IMPORTÂNCIA – Quando perguntamos a importância da ONG para seus colaboradores as repostas foram motivadoras. Amanda disse que a Gerando é sua família, Leonardo falou que a Gerando é o sangue que corre em suas veias, e que o Recomeçar é a causa que ele escolheu para defender.

Bruno Luis, coordenador do Polo Cultural e Esportivo de Poá, falou sobre a importância da ONG para a cidade. “A rua oferece coisas ruins o tempo todo para as crianças e jovens, e a gente tira as crianças da rua, dá uma nova perspectiva, mostra para ela que ela pode, nós mostramos que elas são empreendedoras e a primeira coisa que elas podem empreender são elas mesmas, e isso é muito importante para a cidade.”

Recomeçar: resgatando vidas

O líder Leonardo Precioso

O Recomeçar é um projeto conduzido por Leonardo Precioso, que mediante a sua trajetória de vida resolveu ajudar quem passou por situações semelhantes.

“A ideia surgiu devido ao fato de eu já ter passado pelo sistema prisional. O Edu lutou e me ajudou a sair daquela vida, eu estudei Educação Física, comecei a trabalhar na Gerando e vi que da mesma maneira que fizeram por mim, eu poderia fazer por alguém, falei com o Edu, ele topou e começamos o projeto”, conta Leonardo.

O objetivo do projeto é a reintegração do egresso no mercado de trabalho por meio de parcerias com empresas brasileiras, gerando a oportunidade do trabalho e renda. Mas antes desse encaminhamento ao mercado, há todo um trabalho psicológico e psicossocial, quando o egresso está pronto ele é encaminhado à vaga e posteriormente segue sendo acompanhado pela Gerando.

COMO PARTICIPAR – Para fazer parte de um dos projetos da Gerando, é só procurar a ONG através das redes sociais ou no telefone (11) 3426-9800. Tem também o e-mail: contatogf@gerandofalcoes.com. Através desses canais você terá informações sobre vagas e os cursos oferecidos pela instituição. A Gerando de Poá fica na Avenida Niterói, 96 – Cidade Kemel.