Hospital Guido Guida, de Poá, é criticado por demora nos atendimentos

Na noite do dia 7, dezenas de pacientes se concentravam na recepção do hospital. Foto: Renan Xavier

 

Por Lailson Nascimento

De Poá

 

Os pacientes do Hospital Municipal Doutor Guido Guida, em Poá, estão inconformados com o tempo de espera para as consultas. No dia 7, a reportagem do Gazeta Regional esteve na unidade hospitalar e testemunhou a grande quantidade de pessoas que aguardava atendimento na recepção do hospital.

Por volta das 19 horas do dia 7, os pacientes do Guido Guida aguardavam, ansiosos, a troca de plantão médico. A atendente Rita de Cássia, que estava no hospital desde as 16 horas, só havia conseguido fazer a ficha de triagem até aquele momento. “É que todo mundo depende do mesmo hospital, então, todo dia é lotado. O pior é que minha filha está com dores por todo o corpo, e nós ainda não temos um diagnóstico”, explicou.

A empregada doméstica Luzinete Bispo também aguardava, segundo ela, a troca de médicos. “Desde as 17 horas, só consegui a ficha. Minha filha está com falta de ar, tossindo muito. Mas não tenho outra opção a não ser aguardar”, desabafou.

A dona de casa Leda Coutinho estava como acompanhante do filho, cuja suspeita era de que ele havia contraído dengue. “Estamos desde as 9 horas aqui. Agora, falta sair o resultado do exame. Eu tenho medo de essa demora complicar a situação dele”, advertiu.

 

Outro lado

Procurada, a prefeitura enviou nota para explicar a situação. “O secretário de Saúde de Poá, Alexandre Russo, ressalta que o hospital do município tem recebido a demanda de outras cidades da região e até de São Paulo, uma vez que esses pacientes de outras localidades não conseguem atendimento em suas cidades, ocasionando neste aumento de número de pessoas e, por consequência, a espera. O secretário ressaltou que um relatório é feito a respeito, pois, ao invés do Estado conceder uma retaguarda, o município é quem tem feito isso em relação aos atendimentos”.

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*