LUTO: Jornalista e colunista da Folha de SP, Clóvis Rossi, morreu nesta madrugada

Membro mais antigo do Jornal Folha de São Paulo estava internado em hospital da Zonal Sul
Por Gabriel Dias / Foto: Divulgação

O jornalismo brasileiro vive mais um período de luto, agora, com a perda do jornalista Clóvis Rossi, aos 76 anos. Segundo equipe médica, a morte do comunicador foi registrada na madrugada de quinta (13) para sexta (14), em decorrência de um infarto.

Clóvis, segundo sua filha Cláudia, estava em casa, passou mal, e foi encaminhado ao Hospital Albert Heinstein, na Zona Sul da Capital Paulista. O corpo do jornalista será velado às 16h no Cemitério do bairro Morumbi – não há informações se a cerimônia será aberta ao público.

Rossi nasceu em São Paulo no ano de 1943, no dia 25 de janeiro. Teve suas primeiras atuações no mundo da comunicação como repórter e logo depois subiu os degraus até chegar a ser membro do conselho editorial da Folha de São Paulo.

Clóvis Rossi esbanjava uma carreira bem-sucedida no jornalismo, pois chegou a atuar nos grandes veículos de imprensa, como O Estado de São Paulo e o Jornal do Brasil.

Foram 50 anos de notícias que percorreram grande parte do mundo. Isso rendeu ao jornalista renomados prêmios, como por exemplo o “Maria Moors Cabot” e o da “Fundação para um novo jornalismo Iberoamericano”.

Clóvis morre em um dos dias que São Paulo e o Brasil paralisam suas máquinas para protestar contra a reforma da previdência e cortes na educação, além da falta de empregos. Embora alguns transportes funcionem parcialmente em algumas capitais brasileiras, São Paulo e Rio de Janeiro protagonizam confrontos de manifestantes com a Polícia.

Clóvis Rossi deixa família, mulher, três filhos e três netos, além de muitos amigos e o jornalismo brasileiro.