Michelli Veneziani prioriza a ajuda humanitária sem criar clientelismo

Capacitação: Fundo Social de São Sebastião vai formar cerca de 5 mil pessoas
Por Aristides Barros / Foto: Bruno Arib

A primeira-dama e presidente do Fundo Social de Solidariedade de São Sebastião, Michelli Veneziani da Silva Augusto, defende a ideia de que a ajuda ao próximo deve ser um ato altruísta e voluntário, sem espaço para que quem ajuda se sinta superior, o que se acontecer faz com que quem recebe a ajuda se sinta inferiorizado. Ela assinala que as ações humanitárias revelam o lado mais nobre do ser humano e as atitudes e gestos nesse contexto têm de acontecer sem elevação de egos.

É nessa linha que ela comanda os trabalhos do Fundo Social, onde admite que faz um trabalho visando oferecer condições para que os cidadãos e cidadãs sebastianenses criem, por meio de suas próprias capacidades, meios de contornarem as dificuldades da vida sem ter de ficar esperando por ajuda de terceiros, uma posição que leva muitas pessoas a se acomodarem e origina o clientelismo.

“O Fundo conta com uma série de cursos nos mais diversos ramos de atividade, que é para dar esse suporte às pessoas que procuram ocupação no mercado de trabalho, e cursos de qualificação para aquelas que precisam de aperfeiçoamento no ofício que já exercem”, afirmou Michelli.

A primeira-dama revelou que neste fim de ano a prefeitura vai qualificar em torno de 5 mil pessoas, com todas elas tendo passado pelos cursos realizados pelo Fundo. “É uma ação importante que cumpre uma de nossas propostas, que é a de fazer com que os sebastianenses desenvolvam suas potencialidades e sintam-se confiantes na hora de ir à luta pela busca de colocação no mercado de trabalho. Nossa função é dar estrutura para toda a comunidade poder se organizar e oportunidades reais de transformação, e essa tarefa nos faz sentir bem porque eleva a autoestima das pessoas”, pontua.

AUXÍLIO – Em um outro campo de atuação e sob o comando da primeira-dama o trabalho do Fundo Social levou alívio a centenas de famílias que foram duramente afetadas pelas fortes chuvas que levaram o desassossego para a cidade no mês de maio.

“São Sebastião respondeu imediatamente ao chamado de socorro que partiu de vários cantos do município. O comércio, os empresários, enfim, toda a sociedade civil organizada, assim como a totalidade das secretarias de governo, cada qual à sua forma e competência, ajudaram os afetados. Com isso ninguém ficou desamparado”, disse Michelli, agradecendo a todos que formaram uma verdadeira corrente de solidariedade em prol dos necessitados.

“Pegamos a verba da caixinha do Fundo Social conseguida com a venda de trabalhos feitos nas oficinas para comprar produtos de limpeza, colchões e outros itens para atendar as famílias afetadas. Acompanhei tudo de perto e foi emocionante ver as pessoas abraçando a causa. Quando todos se unem para fazer o bem o resultado é muito mais positivo”, observou.

CONSTRUÇÃO – Michelli revelou que ao chegar no Fundo Social teve de estruturar todo o setor e também a Secretaria de Desenvolvimento Social, que “agora está bem equipada e modernizada para atender todos que estejam precisando.”

Segundo ela, tudo estava abandonado e revelou que se não fosse esse agravante poderia acontecer mais coisas. “Tivemos que começar tudo do zero. Inicialmente foi difícil desenvolver os trabalhos devido ao tamanho do município. Estamos conseguindo porque nossa equipe é muito boa e bastante motivada. Todos estão empenhados no trabalho visando diminuir as necessidades das famílias carentes. A meta de todos nós é melhorar ao máximo os serviços da administração pública para que toda a sociedade sebastianense possa colher bons frutos nos próximos anos”, concluiu.