Moradores do Jardim Planalto, em Mogi das Cruzes, reclamam de obra do Semae

Obra da autarquia com água acumulada, mosquitos e pernilongos leva medo à população

 

Por Giovanna Figueiredo / Foto: Bruno Arib

 

No Jardim Planalto, em Mogi das Cruzes, moradores reclamam de uma obra do Semae (Serviço Municipal de Água e Esgoto). De acordo com eles, o trabalho no local foi iniciado há oito meses. Ruas quebradas, bocas de lobo que levantam durante a chuva e aumento de pernilongos e insetos são as principais reclamações.

Em visita ao bairro, a GAZETA encontrou uma construção do Semae e na parte de baixo do serviço há grande acumulo de água e muitos insetos, principalmente mosquitos e pernilongos. Em conversa com os moradores, eles afirmaram que o medo é que haja o mosquito Aedes Aegypti, transmissor da Dengue, Zika, Chikungunya e até Febre Amarela.

“Aqui nas ruas Guajará e Dr. José Juca Assi nós sofremos com esse monte de pernilongos. Além disso eles destruíram a rua e não arrumam”, desabafou o morador Walbergson Oliveira Bispo, de 34 anos.

A reclamação de Michele Cardoso é em relação a instalação de esgoto. Segundo a moradora, depois que a rede de esgoto foi implantada na sua residência, passou a voltar água do esgoto para dentro de sua residência pelos ralos e pela privada. “Quando a ligação era clandestina não acontecia isso. A gente reclama e eles dizem que não podem fazer nada, isso é um descaso”, finalizou Michele.

 

O QUE DIZ O SEMAE – Em nota o órgão afirmou que a obra “é a reforma da Estação Elevatória de Esgotos Andiroba.” “O objetivo é melhorar e ampliar a capacidade de bombeamento e envio de esgoto da região do Jardim Planalto, Jardim Layr, Jardim Aeroporto e Oropó, para tratamento. A expectativa é concluir os serviços nos próximos 30 dias, mas devido ao período de chuvas intensas, este prazo pode se estender.” O Semae declarou também que vai averiguar as reclamações dos moradores e tomar as devidas providências. Com relação ao acumulo de água, a alegação foi “as chuvas frequentes”.

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.