O desabafo inspirador de Marta para uma educação fragilizada

Por Marcelo Silva / Foto: Divulgação

Após encerrar sua participação no mundial de futebol feminino, Marta, a maior artilheira de todas as Copas, desabafou. Seu depoimento inspirador é similar à atual fase educacional brasileira.

“A gente tem que chorar no começo para sorrir no fim.” Concordo, é verdade!

Com todo o respeito e sem adentrar ao mérito da ideologia de gênero, passo a refletir no que se refere aos níveis educacionais e desportivos do Brasil, onde há muito a ser feito. Passou da hora de parar com sonhos e voltar à realidade.

Claro que existe um longo caminho a ser trilhado rumo aos bons níveis educacionais, se comparados aos países desenvolvidos que alcançam títulos e medalhas nos mais variados campeonatos desportivos pelo mundo.
Universidades americanas concedem bolsas para alunos destaques nas diversas modalidades esportivas, com seus objetivos pré-definidos, essas instituições e o próprio governo sabem que esse investimento não é em vão.

Sabemos que uma boa educação e o conjunto de práticas desportivas, favorecem sobremaneira sua qualidade, de forma que educação, cultura e esportes formam o tripé de sustentação que dá base ao alcance de colocações superiores nos rankings educacionais e desportivos, além disso, contribui para melhoria das condições econômicas e sociais de qualquer país que sobrepõe a questão educacional como prioridade em seu desenvolvimento.

Essa iniciativa deve começar lá no ensino básico regular, pois não basta apenas ter garra, vontade e coragem, é preciso conhecimento, talento, disciplina e técnica, fatores essenciais para qualquer área de desenvolvimento, de forma que, se não investirmos os recursos necessários em educação com políticas públicas de impacto, teremos que nos contentar com o choro sem consolo dos nossos bem-aventurados ainda por um bom tempo.

†

Marcelo Silva, é professor, contador, licenciado em pedagogia e ciências sociais, além de especialista em educação e gestão pública pela Universidade Federal Fluminense

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.