‘Os munícipes podem fazer do turismo fonte de renda’

Na edição em que Salesópolis comemora os 181 anos fundação e 162 de emancipação político administrativa, a GAZETA traz as belezas da cidade onde nasce o Rio Tietê. Acompanhe a entrevista com o secretário municipal de Turismo, Cultura e Esporte, Jorge Donizetti de Sá, que fala sobre o desenvolvimento e o potencial turístico do município.

 

Por Giovanna Figueiredo / Foto: Bruno Arib

 

Gazeta Regional (GR): Qual é o potencial turístico da cidade? O que já foi explorado e o que ainda precisa ser trabalhado?

Jorge Donizetti de Sá: O potencial é muito grande, só o fato de termos a cidade preservada pelas Leis dos Mananciais traz diversas possibilidades em relação a natureza e turismo rural. Em termos de visitação, precisamos buscar algumas parcerias para desenvolver esse lado. Por Salesópolis ser um município carente, a gente tem algumas dificuldades referentes ao acesso e às estradas, mas dentro do que temos de atrativos, como a nascente do Rio Tietê, a barragem da Ponte Nova e a Usina Parque, os ônibus chegam tranquilamente. Temos aqui o turismo religioso, que é muito forte. E estamos buscando junto ao Estado a liberação das barragens para prática de esportes náuticos, como caiaque e stand-up paddle.

 

GR: Como estão os números relacionados à visitação?

Donizetti: No ano de 2018 recebemos cerca de 37 mil visitantes, entre pagantes e não pagantes. Isso sem contar as visitações em locais que não conseguimos contabilizar, como as pousadas, Casarão do Café, Rancho da Moto e etc. O maior fluxo é no final de semana, e nesse ano tivemos o Festival do Cambuci, que faz parte do calendário da cidade, que trouxe gente de todo Estado e até mesmo de outros Estados. Em relação a contagem dos visitantes esse ano, estamos fazendo um observatório, um levantamento que vai abranger tudo que temos na cidade, desde comércios até cachoeiras e outros pontos turísticos.

 

GR: Em sua opinião, o que falta para deslanchar o turismo de Salesópolis?

Donizzeti: Precisamos mostrar e conscientizar os munícipes de que eles podem fazer do turismo na cidade uma fonte de renda. Porque eu acredito que ainda não caiu a ficha das pessoas sobre estar dentro de uma Estância Turística. Acredito que precisamos divulgar mais isso, porque um simples borracheiro participa da vida do turista. Os empresários e comerciantes daqui não têm noção do quanto eles são importantes para o desenvolvimento do turismo. Por exemplo, uma pessoa vem para uma casa em final de semana e quebra uma lâmpada, é aqui que ele vai procurar para comprar. E temos que nos conscientizar para ter esse atendimento ao turista. Então a ideia é trazer cursos de capacitação pelo Sebrae, para os funcionários e empresários da cidade.

 

GR: Qual a mensagem você deixa para os moradores e empreendedores em relação ao fomento do turismo na cidade?

Donizzeti: O caminho para o desenvolvimento do município é que todos nós estejamos conscientes de que vivemos numa cidade turística, portanto, falta trabalhar mais em prol disso. Vejo que somos uma cidade privilegiada, com tantas belezas naturais, que estamos desenvolvendo, colhendo muitos frutos e plantando também.