Poá precisa ter um deputado, defende Edinho do Kemel

Pré-candidato a deputado estadual, o vereador quer ser o primeiro parlamentar poanse na Alesp. Foto: Bruno Arib

 

Por Lailson Nascimento

 

A falta de um deputado estadual que represente Poá na Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo) levou o vereador Luiz Eduardo Oliveira Alves (PODE), o Edinho do Kemel, a lançar sua pré-candidatura para as eleições de 2018. No exercício de seu segundo mandato como vereador, o político entende que “chegou a vez do município contar com uma pessoa que lute pelos direitos do município junto ao governo estadual.”
Apesar de possuir o quinto maior eleitorado do Alto Tietê, Poá jamais elegeu um deputado estadual. Por conta disso, a cidade tem ficado em “segundo plano”, conforme explica o pré-candidato. “Vamos perder boa parte da arrecadação do ISS [Imposto Sobre Serviço] porque não temos, hoje, um deputado que articule e mobilize bancadas ao nosso favor.”
Ao lembrar que as maiores cidades da região contam com seus representantes nas esferas estadual e federal, Edinho frisa que está preparado para ser o deputado por Poá. “Quero ter um olhar diferente para a cidade, pois ela não pode mais ficar em segundo plano.”

 

EXPERIÊNCIA – Com 37 anos de idade, Edinho do Kemel é formado em Gestão Pública pela Universidade Metodista. Em 2016, foi reeleito para seu segundo mandato como vereador. Agora, pretende usar a experiência para defender Poá na Alesp. “A Câmara é minha escola, minha base. Aprendi muito com os vereadores que passaram por essa Casa de Leis, passei a entender como funciona a política e me sinto preparado para representar Poá na esfera estadual.”
Dos jovens ao público da terceira idade, o pré-candidato tem na ponta da língua os projetos que beneficiaram a cada uma das camadas da população poaense. “Nós não temos uma bandeira fixa no mandato, pois procuramos desenvolver um trabalho que beneficie a maior parcela da população”, pondera.
Parceria também faz parte de seu vocabulário político. “Existe um Projeto de Lei tramitando no Congresso Nacional que defende a diminuição gradativa do recolhimento de ISS na cidade. Esse projeto é da deputada federal Renata Abreu, presidente do Podemos em São Paulo, mas foi um pedido nosso. Se tivermos um representante na Alesp, esse tipo de parceria vai render ainda mais frutos”, aposta.
Edinho não deixa de lembrar de projetos e verbas conseguidos por meio da sua iniciativa. “Tenho uma lista de trabalho de minha autoria, pois nunca tive preguiça de trabalhar por Poá. No ano passado, quando o governo estadual ameaçava fechar escolas, nos unimos aos estudantes e travamos uma luta árdua com o Geraldo Alckmin até ele voltar atrás. Também me orgulho muito de ter conquistado a liberação de R$ 1 milhão em recursos do Fumefi [Fundo Metropolitano de Financiamento e Investimento] para a pavimentação de diversas ruas no bairro Cidade Kemel. O próximo passo é trazer as ruas Washington Luiz Pereira de Souza, Deputado Emilio Carlos e um trecho da Avenida Kemel Addas para o território poaense, já que elas ainda pertencem à cidade de Itaquaquecetuba.”
Outros projetos criados por Edinho também foram citados por ele, tais como a criação do Banco de Sangue, do projeto Vizinhança Solidária e da busca por um Farmácia 24 horas, além do pedido de implantação do restaurante popular Bom Prato no município.

 

PARTIDO – Presidente do Diretório do Podemos em Poá, o pré-candidato conta que vai seguir uma das principais diretrizes do partido caso seja eleito: a participação popular.
“Nosso mandato sempre teve um apelo popular. Temos o programa Gabinete Móvel, que funciona como uma extensão do nosso trabalho. Por meio dele, a gente consegue atender o cidadão diretamente no seu bairro, na sua rua, colhendo reclamações e sugestões da comunidade. Temos também o aplicativo para celular ‘Cidadão Participa’, que é uma ferramenta criada pelo Podemos para facilitar a interação do povo com a classe política. É dessa maneira que pretendemos desenvolver um trabalho na Assembleia Legislativa, ou seja, com a participação popular”, concluiu Edinho do Kemel.