População do Jardim Revista reclama de falta de manutenção

Na Avenida Atlântida, à beira de um córrego, cobras e aranhas já fazem parte da rotina da população

  

Por Giovanna Figueiredo / Foto: Bruno Arib

  

Na rua Atlântida, localizada no Jardim Revista, em Suzano, moradores reclamam de um córrego que passa a maior parte do tempo sujo, cheio de lixos, entulhos e com mato alto, o que acaba atraindo animais peçonhentos como cobras e aranhas para dentro das residências. Além disso, os moradores reclamam também que uma ponte que ligava um lado da rua ao outro teria sido destruída por agentes da prefeitura.

“Olha, a última limpeza que eles [prefeitura] fizeram aqui foi no ano passado. Mas sempre fica com lixo e mato alto aqui. Além dos pernilongos e mosquitos, aqui a gente vê muita cobra, o vizinho mesmo já matou uma aqui, e aranha entra dentro de casa, umas enormes”, contou a dona de Casa Fátima Aparecida Bandeira, de 55 anos.

Passando para o outro lado do córrego, a equipe de reportagem conheceu Bianca Conceição de Souza Santos. A jovem de 21 anos, que mora no local com o marido e dois filhos, conta que tem medo em relação ao mosquito da dengue. “Os moradores que acabam limpando aqui. Cada um limpa na frente da sua casa, tira o mato, só não pode tirar tudo, senão acaba desbarrancando.”

    

PONTE – Em relação à ponte instalada em frente à casa de Bianca, ela conta que foi feita pelos próprios moradores e que antes tinha uma estrutura boa, com corrimão, mas quando os agentes da prefeitura estiveram na comunidade para fazer a limpeza do local, a ponte foi destruída, e os moradores reconstruíram com alguns paletes que ganharam.

A jovem falou que se preocupa com sua vizinha Solange, que tem problemas na visão por uma complicação do diabetes. “Quando tinha ponte, com corrimão tudo certinho, para mim era melhor, eu passava numa boa, agora eu dou a volta porque tenho medo de cair aqui”, explica Solange.

Bianca relatou também que já caiu no córrego e faz um apelo. “A única coisa que nós queríamos é que construíssem uma ponte descente. Eles dizem que estamos em área irregular, se é isso, que eles nos ajudem a sair daqui pelo menos, ir para um lugar melhor”, finalizou.

   

O QUE DIZ A PREFEITURA – A prefeitura confirmou que os serviços de manutenção foram realizados em 2018, mas não deu o dia e nem o mês da ação. Afirmou que está recebendo novos maquinários neste começo de ano e que o bairro já está no cronograma de ações.

Em relação à ponte a gestão de Rodrigo Ashiuchi (PR) não se manifestou.

Sobre a área onde as casas estão construídas ser irregular, a prefeitura disse que a Secretaria de Planejamento Urbano e Habitação vai enviar uma equipe de fiscalização para averiguar a situação.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *