Prefeitura de SP quer revitalizar Anhangabaú e excluir comunidade do Skate

Skatistas ficam em segundo plano em projeto para mudar cara do Anhangabaú; esportistas criticam iniciativa e partem para o protesto

Por Gabriel Dias / Foto Divulgação

Um dos cartões postais mais badalados de São Paulo, o Vale do Anhangabaú será, segundo frequentadores, destruído para uma possível revitalização do espaço.

Segundo skatistas que usam o local para realizar manobras radicais e encontros voltados ao esporte, o local deve ficar como está. A grande maioria diz que é preciso juntar forças para salvar o espaço e os mármores que serão retirados pela Prefeitura de São Paulo.

Hoje (10), por volta das 10h, vários skatistas e frequentadores se uniram em um protesto contra a revitalização do local.

Segundo o site da Prefeitura de São Paulo, o governo Bruno Covas (PSDB) diz que a cidade é o motor econômico do Brasil e, portanto, precisa ter uma nova “cara”. “O projeto permitirá que esta região seja mais animada, segura e atraente”, diz a prefeitura.

Segundo o fotógrafo Til Roger, a gestão Bruno Covas prometeu construir uma pequena pista de skate em uma área do Vale do Anhangabaú, no entanto, ainda segundo Roger, não é o esperado pela comunidade do skate.

“A comunidade é antiga, andamos no Vale há muito tempo, ninguém foi consultado, apenas chegam e fazem. O protesto é contra isso, não queremos pista, o skate nasceu na rua, e queremos desta forma: na rua, como sempre foi antes deste projeto”, fala Til Roger.

De acordo com o fotógrafo, uma reunião com vereadores foi marcada para a próxima quinta-feira (13), na Câmara Municipal.

Já o skatista Leo Mendes diz que nada entre poder público e a comunidade do skate foi conversado. “Ao que tudo indica, a proposta de revitalização do espaço não será benéfica ao skate, ao contrário, apenas aos interesses do poder público”, critica Leo Mendes. “Eles estão retirando monumentos e matando as características de um dos locais onde grandes grupos se encontram”, completa.

Para fortalecer o protesto, a comunidade do skate iniciou um abaixo assinado para frear o projeto. Atualmente foram arrecadadas 5.966 assinaturas, e o objetivo é que 7.500 pessoas participem da iniciativa.

Segundo o documento criado pela comunidade, a prática do skate no local acontece desde os anos 90. A iniciativa do grupo é que seja ao menos mantida ou então melhorem as arquibancadas de mármore. Ainda de acordo com o documento, muitos skatistas do Brasil e de fora do País consideram o Vale do Anhangabaú um espaço clássico para se andar de skate.

Posicionamento

A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano de São Paulo informou, por meio de nota, que “o projeto de requalificação do Vale do Anhangabaú foi construído a partir da contribuição de diversas pessoas, grupos, técnicos e profissionais da sociedade civil em um processo participativo realizado em 2013.”

E completou: “As estratégias do projeto foram debatidas por diversos segmentos da sociedade e trazem um espaço democrático, resultado de solicitações e contribuições no processo participativo,  acolhendo diversas atividades que poderão se desenvolver ao mesmo tempo, como por exemplo, a prática de esporte e skate. A requalificação do Vale envolve a criação de um espaço de 787 m² voltado inteiramente para prática de skate, com obstáculos e percurso para a prática do esporte”, concluiu.

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.