Projeto resgata bandas marciais da região

Iniciativa do grupo de Daniel Valeriano já alcança Poá e Itaquá

Por Giovanna Figueiredo / Foto: Bruno Arib 

As bandas marciais e fanfarras já foram tradicionais no Alto Tietê. Itaquaquecetuba chegou a ter, por anos, a melhor banda do Brasil. Com o objetivo de resgatar essa tradição, Daniel Valeriano deu início ao projeto ‘Bandas Marciais’, que já marca território em Poá e agora está se estendendo para Itaquá.

“Eu comecei a ter contato com música na antiga fanfarra de Poá. Nunca mais parei e fui estudar música em São Paulo. A fanfarra sempre foi um polo formador e eu sou prova disso. Há dois anos eu reuni alguns amigos que participaram comigo da banda em Poá, elaboramos o projeto, colocamos embaixo do braço e fomos até as empresas. E logo conseguimos um patrocinador para nossa ideia”, conta Valeriano.

Os alunos, ao iniciarem o curso, passam por uma fase de percepção musical e também de conhecimento de cada instrumento da banda. Quando escolhido o instrumento, os estudantes podem levar para casa a fim de estudar. Todos os instrumentos são doados pelo patrocinador.

Em Poá o projeto já tem todas as suas vagas preenchidas e os alunos em estágio avançado de aprendizagem. Na cidade de Itaquá, o projeto está em fase final de implantação, as inscrições encerram na última quinta-feira (14) e as aulas devem iniciar na próxima segunda- feira (18).

“Tocar em grupo faz com que eles fortaleçam os vínculos e criem, de certa forma, uma disciplina. Além de descobrir novas talentos”, finaliza Valeriano.