Santa Isabel continuará no escuro

Problemas com Iluminação Pública, em Santa Isabel, ainda é realidade para quem mora no município

 

Por Gabriel Dias  / Foto: Lailson Nascimento

  

Estimada em R$ 3,6 milhões, a licitação para Iluminação Pública em Santa Isabel foi cancelada. Até o fechamento desta edição, os motivos para a suspensão do processo, comunicado pela prefeitura na quarta-feira (31), não foram revelados, muito menos quando um novo processo será reaberto. A licitação estava programada para a próxima segunda-feira (5).

De acordo com o documento que especifica quais trabalhos a nova empresa deveria fazer, a prefeitura solicita que a companhia seja especializada no serviço de operação e manutenção do sistema de iluminação pública do município.

A gestão de Fábia Porto (PRB) também pede a manutenção e o cadastramento informatizado, operação, reforma, sistema de atendimento e gerenciamento das ocorrências demandadas pela população, bem como todas as demais atividades necessárias para iluminação pública, compreendendo o fornecimento de todos os materiais e execução de todos os serviços na cidade.

Segundo o site do TCE-SP (Tribunal de Contas do Estado de São Paulo), devido ao fato de a licitação ter sido suspendida, a administração municipal teria o prazo de 48 horas para apresentar alegações contundentes para reverter a situação. Sem que nada fosse feito pela gestão, o próprio órgão determinou a imediata paralisação do processo e deu a Fábia Porto cinco dias para se manifestar.

São inúmeras as justificativas do TCE para que o trâmite fosse paralisado de maneira imediata, em Santa Isabel, como mostra o documento: “Deste modo, entendo que as questões em destaque mostram-se suficientes para uma intervenção desta Corte, com o intento de obstaculizar o prosseguimento da licitação, para análise em sede de exame prévio de edital, por estarem caracterizados indícios de ameaça ao interesse público.”

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.