Sistema tecnológico de segurança reduz índices criminais em Guararema

Sistema tecnológico de segurança reduz índices criminais em Guararema

  

Por Gabriel Dias / Fotos: Lailson Nascimento 

 

Tendo como alvo uma segurança mais eficaz e com índices de criminalidade lá em baixo, a cidade de Guararema já aplicou em um sistema de monitoramento inteligente chamado CSI (Centro de Segurança Integrada) cerca de R$ 6 milhões.

Com uma população estimada em 28.692 pessoas, segundo a Fundação Seade – vinculada à Secretaria de Planejamento e Gestão do Estado de São Paulo –, o município vê os níveis criminais diminuírem com apoio da tecnologia. São 100 câmeras espalhadas no Centro e em bairros que rodeiam a malha central.

Em dados de 2017, os crimes comuns como o tráfico de drogas, por exemplo, caíram em 33% com ajuda das câmeras. Furto e Roubo de carros também são os crimes que diminuíram desde o ano passado. Roubo de veículos caiu 18%, e furtos houve queda de 45%.

 

CUIDADOS – Uma cidade com o raio de 270 km², Guararema ainda guarda ares de município pequeno, interiorano, mas que, no entanto, serve de cenário para crimes de pequeno, médio e grande porte.

O último caso registrado pela CSI e de grande repercussão foi o da jovem Rayane Paulino, de 16 anos, morta por um segurança que trabalhava na rodoviária municipal.

Numa entrevista à GAZETA, o secretário Municipal de Segurança Pública, Edson Roberto de Moraes, mostrou por meio de vídeos alguns crimes de pequeno potencial. “Vocês veem que é um jovem que caminha durante a madrugada próximo à Rodoviária da cidade de olho numa bicicleta. Ele rodeia o local e, quando menos se espera, retira o cadeado da bicicleta”, narra o secretário, enquanto analisava as imagens.

PRÁTICA – Secretário comemora a redução de índices criminais

RESULTADOS – Na opinião de Moraes, o investimento em sistemas inteligentes contribui para uma segurança mais eficaz. “Muitos crimes conseguimos evitar, outros não, mas isso faz parte. Nossa equipe é especializada nisto, e creio que todas cidades deveriam pensar neste investimento com carinho”, fala.

Para a publicitária Ana Marchione, de 25 anos, morar numa cidade monitorada traz segurança, além de mudar a cultura da população. “Saber que têm câmeras acompanhando seus passos, por exemplo, te leva a ter boas práticas no trânsito e em outros hábitos do dia a dia na rua, mas a sensação de segurança existe sim”, finaliza.

  

Investimento no Alto Tietê

Embora Guararema se sobressaia em relação aos demais municípios do Alto Tietê, as cidades da região também têm investido em tecnologia a serviço da segurança pública.

Mogi das Cruzes, por exemplo, investe anualmente cerca de R$ 22 milhões em ações com segurança. Este valor engloba o investimento na GCM (Guarda Civil Municipal), equipamentos e tecnologia, além do apoio a órgãos estaduais de segurança como as Polícias Militar e Civil, Corpo de Bombeiros e outros.

A cidade conta atualmente com cerca de 300 câmeras de monitoramento. Este total inclui as câmeras instaladas em áreas e espaços públicos, em prédios municipais e do projeto Barreira Eletrônica – que faz a leitura da placa de veículos e checa com o banco de dados da Polícia Militar.

  

SUZANO – De acordo com as LOAs (Leis Orçamentárias Anuais) dos dois últimos anos, os investimentos na área de segurança em 2017 ficaram em torno de R$ 10,6 milhões. Já em 2018, R$ 16,1 milhões. A administração suzanense ainda informa que tem investido em equipamentos e tecnologias de ponta, a exemplo a criação do CSI – o mesmo programa usado em Guararema – cujo projeto está previsto para iniciar em 2019. A previsão é de que sejam instaladas 60 câmeras de monitoramento na cidade.

  

ARUJÁ – Segundo a administração municipal, não houve nenhum investimento em novos equipamentos, apenas a manutenção da central integrada – local onde ficam cerca de 30 câmeras que monitoram a cidade. De acordo com a própria prefeitura, houve queda de 80% nos índices de criminalidade nas proximidades de onde as câmeras estão instaladas. Na cidade trabalham 36 GCMs (Guardas Civis Municipais).

  

FERRAZ – Em Ferraz de Vasconcelos, a gestão de José Carlos Fernandes (PRB), o Zé Biruta, informou que não realizou nenhum tipo de aquisição de equipamentos de tecnologia para a área da segurança devido à situação financeira da administração municipal.

  

DEMAIS CIDADES – A GAZETA procurou outros municípios para abordar o tema, mas não obteve retorno até o fechamento da edição.

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.