Transposição do Rio Itapanhaú deve ter início no 2º semestre

Intervenção deve aumentar arrecadação

  

Da Redação / Foto: Divulgação

  

A Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) só depende da aprovação e emissão de licenças ambientais para dar início às obras de transposição do Rio Itapanhaú. A informação é do prefeito de Biritiba Mirim, Walter Tajiri (PTB), que se reuniu nesta semana com funcionários da autarquia para dar andamento às tratativas do projeto. A obra está orçada em R$ 92 milhões.

Além de garantir serviços de desassoreamento e limpeza dos córregos do Iroy, Itaim e Santo Antônio, bem como a reconstituição e regularização de margens erodidas, paisagismo e melhorias urbanísticas nas vias onde pedestres transitam, Tajiri obteve informações a respeito da receita que o município terá acesso, por meio da cobrança de ISS (Imposto Sobre Serviço.

Apesar de não ter revelado a projeção de recursos, o prefeito comemorou o reforço extraorçamentário que chegará aos cofres públicos por meio do imposto. “Além de gerar receita para a cidade, uma obra desse tamanho é de extrema necessidade para o Estado. Minha prioridade é que a empresa dê preferência a empregados da cidade para o trabalho que irão realizar”, disse ele.

 

ENTENDA – Segundo a Sabesp, o projeto consiste no aproveitamento da Bacia do Rio Itapanhaú para abastecimento da Região Metropolitana de São Paulo, mediante o sistema de reversão de águas do Ribeiro Sertãozinho (formador do Rio Itapanhaú) para o reservatório de Biritiba (bacia do Alto-Tietê).

Ainda segundo a Sabesp, a reversão de água do rio será pontual, apenas em casos de baixo nível nos reservatórios.