Uma família quase acima de qualquer suspeita

Da Redação / Arte: André Jesus

O descontentamento dos poaenses com integrantes de uma família que conduz os rumos do município não causou surpresa alguma para quem acompanha os bastidores políticos de Poá e são cientes de que os Lopes canalizam para si o que deveria ser direcionado ao povo e à cidade.

O que causa espécie é que, ao invés de fazer a “mea culpa”, um dos integrantes do clã político praticamente endossa o teor do trabalho jornalístico, que não tinha esse viés, falando que a reportagem trazida na edição 287 coloca a família na mira de sequestradores, como se o jornal fosse algum agente de bandidos que cometem essa prática criminosa.

É realmente muito contraditório querer dar conotação ilícita a um trabalho que visa levar esclarecimento aos leitores sobre a vida pública de homens públicos eleitos para melhorar a qualidade de vida de uma população e que, em face do trabalho, aparenta estar melhorando só a qualidade de vida do quadro familiar.

Ganhar uma pomposa quantia em poucos meses enquanto um trabalhador comum leva anos para juntar umas poucas economias leva a suspeitas de que esses ganhos não são provenientes de trabalho engrandecedor e dignificador de quem tenha um caráter ilibado e inquestionável.

Sempre é bom lembrar que nem tudo que é legal é revestido de moral e que enriquecer num curto espaço de tempo é dadiva concedida a quem ganha na mega-sena, jogadores de futebol, e na família Lopes não se tem notícia de nenhum atleta e de nenhum sortudo da mega.

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.