Vereador de Itaquá aposta em respeito aos animais para reduzir gastos em saúde

Edson da Paiol (PTN) quer introduzir aulas de proteção animal em escolas. Parlamentar também justificou aumento da idade de ônibus escolares. Foto: Bruno Arib

 

Por Renan Xavier

 

Com o primeiro projeto de lei ainda repercutindo no município, o vereador Edson Rodrigues, o Edson da Paiol (PTN), já prepara, para abril deste ano, a segunda investida de seu mandato. Desta vez, o parlamentar de Itaquaquecetuba vai abraçar a causa animal, propondo aulas e palestras de conscientização sobre o respeito aos bichos para crianças das creches e escolas municipais.

Para isso, garante que já existe uma parceria com a Universidade Anhembi Morumbi, que disponibilizará estudantes de veterinária gratuitamente para dar as aulas. Em longo prazo, segundo seus prazos, a medida pode criar uma nova cultura de relacionamento com os animais, prevenindo maus tratos e a proliferação de doenças zoonóticas – aquelas transmitidas de animais para seres humanos.

“A conta é básica: hoje, cerca de 66% das doenças que atingem as pessoas têm origem animal, a exemplo da febre amarela. Se as crianças forem orientadas, desde a infância, a cuidar dos bichinhos e preservar o meio ambiente, conseguiríamos reduzir em 30% os gastos com saúde, desafogando o sistema público”, argumentou Edson da Paiol. “Isso significa economia para o município e mais dinheiro para ser investido em infraestrutura e educação”, empolgou-se.

O vereador reconhece que essa mudança cultural pode demorar a ocorrer, mas reafirma a importância de dar um pontapé inicial: “A mudança precisa começar por alguém, fui eleito para defender esses avanços. Temos que parar de tratar a doença e eliminar a causa do problema”, disse o parlamentar.

 

POLÊMICA – A lei de estreia de Edson da Paiol, que regulamenta o serviço de transporte escolar na cidade, ganhou destaque devido a um ponto controverso: o aumento da idade mínima dos ônibus escolares de oito para 15 anos. No entanto, o vereador afirma que essa mudança acompanha as leis estadual e federal, as quais permitem veículos de até 25 anos.

“O principal objetivo da lei foi beneficiar os condutores de vans escolares, que são trabalhadores da cidade, honestos, mas que ficavam totalmente desamparados pela antiga legislação”, explicou Edson da Paiol. “A antiga lei impedia que o motorista deixasse o preposto. Ou seja, o condutor tem um alvará, mas sua família não pode usar esse benefício em caso de morte. Com a nova lei, se o dono do alvará falecer, sua família poderá usufruir dessa licença. Antes, ficava totalmente desassistida. Eu não poderia concordar com essa injustiça”, declarou.

O vereador declarou ainda que as punições por descumprir a lei se tornaram mais rígidas. “Todo estudante é obrigado a usar cinto de segurança, agora. E nós, vereadores, vamos fiscalizar e denunciar o descumprimento da lei”, prometeu.