Candidato a prefeito de Paraibuna tem má fama de resolver seus problemas ‘na porrada’

Já o postulante a vice joga pra tudo que é time e não defende nenhuma bandeira

Por Aristides Barros / Foto: Divulgação

O candidato a prefeito de Paraibuna, Marcelo André e o seu candidato a vice-prefeito Fernando Augusto Carneiro Pinto, o Dr. Fernando – ambos do PSB –, formam a dupla perfeita: um bate e outro corre.

Marcelo André é conhecido na cidade pelo temperamento explosivo de quem resolve a situação na pancada. Por conta disso, ele já teve de responder processos na Justiça por calúnia e difamação, em Paraibuna, e processos por estelionato e outras fraudes em Caraguatatuba.

Em outubro de 2016, a boca dura e o braço forte do vereador se voltaram contra o sexo frágil, quando Marcelo André “opinou” em uma rede social que seria favorável à violência contra as mulheres. O parlamentar “disse”, textualmente, que “bater em mulher nunca respondi.” “Mas têm umas que merecem por não dar educação a seus filhos e os tornam covardes e mentirosos.”

Procurado, à época, pela imprensa, ele se defendeu argumentando que a postagem foi em um momento de raiva e reconheceu que a colocação foi inadequada, porém já era tarde, pois a “fala” do político bombou na internet.

A fama de mau que já havia se espalhado ainda persiste, obedecendo ao velho jargão que quem bate esquece fácil, quem apanha não esquece nunca. O eleitorado feminino de Paraibuna tem memória forte.

Fugitivo

O candidato a vice-prefeito, Dr. Fernando, muda de partido como quem troca de roupa. Todavia, a fuga constante de uma identidade política lhe rendeu um processo de cassação de mandato em 2012, partida do TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral do Estado de São Paulo), que o cassou por infidelidade partidária.

Isso porque ele foi eleito vereador em 2008 pelo PSDB, mas “fugiu do ninho dos tucanos”, indo para o PT. Entretanto, a refrega não deu resultados, Dr. Fernando já pertenceu ao PTB e agora busca uma fixação “definitiva” no PSB.

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*