Caraguá tem alta na arrecadação, mas investimentos sofrem baixa

Queda: Gestão passada investiu muito com pouco dinheiro; no atual governo a cidade parou

Por Aristides Barros / Foto: Laerton Santos / Reprodução

Avaliando a administração passada – liderada pelo então prefeito Antônio Carlos (PSDB) – e o governo atual de Aguilar Junior (MDB), nota-se a queda de investimentos em Caraguatatuba, apesar da alta na arrecadação municipal. Destaca-se que o político tucano já governou a cidade em quatro mandatos intercalados: 1997 a 2004 e 2009 a 2016.

No mais recente – 2009 a 2016 –, mesmo com poucos recursos, Antônio Carlos investiu forte em Caraguá e, ao final do quarto mandato, entregou a cidade ao seu sucessor com dinheiro em caixa. Os comparativos entre a gestão tucana e a emedebista são comprovados nos Demonstrativos de Receita e Despesas da Prefeitura de Caraguatatuba.

Em 2016 o político tucano contava com uma receita anual de R$ 562 milhões e fez investimentos da ordem de R$ 117 milhões, o que corresponde a 20,8% do orçamento municipal. “Foi o ano de ouro vivido por Caraguatatuba, que depois passaria à época das vacas magras”, afirmam os correligionários e simpatizantes do líder tucano.

Já no ano seguinte, em 2017, em sua estreia no governo, Aguilar Junior, mesmo com um orçamento de R$ 630 milhões investiu apenas R$ 54 milhões, ou seja: 8,6% da receita municipal.

Em 2018 o emedebista, que teve uma leve subida no orçamento do município, pontuada em R$ 650 milhões, voltou a não encantar a cidade. Os investimentos registraram a mesma marca de sua estreia, ou seja, R$ 54 milhões, com uma queda vertiginosa para 8,3%.

Segundo especialistas, a “leve” queda nos investimentos é ilustrada, entre outras coisas, em menos serviços nas áreas de educação, saúde, lazer e outros setores que afetam drasticamente a vida e o futuro da população.

Enquanto Aguilar Junior não encontra o caminho e nem a fórmula certa para investir, Antônio Carlos conduziu a cidade marcando posições favoráveis à cidade no tocante a investimentos.

Em 2015, penúltimo ano do quarto mandato do tucano e com a receita batendo a casa dos R$ 499 milhões, ele investiu 56 milhões, correspondendo a 11,4% do orçamento municipal. Já em 2014 foram investimentos da ordem de R$ 46 milhões, correspondente a 10,4% da receita que chegou a R$ 450 milhões.

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.