Criança morre após contrair ameba ‘comedora de cérebro’ enquanto brincava em fonte pública

A infecção rara causada pela ameba é encontrada na água e atua destruindo o tecido cerebral

Por Giovanna Figueiredo / Foto: Reprodução | Redes Sociais

Uma criança morreu após contrair uma ameba rara, conhecida como “comedora de cérebro”, em uma fonte aquática recreativa. O caso aconteceu condado de Arlington, no Texas, Estados Unidos. A confirmação do óbito foi feira pelas autoridades locais na segunda-feira (27).  

No dia 5 de setembro, a criança foi hospitalizada com o diagnóstico de meningoencefalite ambiana primária, uma infecção rara e frequentemente fatal, conhecida como Naegleria Fowleri. No dia 11 de setembro, a criança morreu. Sua identidade e nenhum outro detalhe sobre a vítima foi divulgado.

O organismo infecta quando a água que contém a ameba entra no corpo da pessoa pelo nariz. A “comedora de cérebro” então sobe pelo nariz até o cérebro, onde destrói o tecido cerebral.

Investigação

As autoridades do condado e da cidade fora notificada sobre o caso e a condição da criança ainda no dia 5 de setembro.

O departamento de saúde iniciou uma investigação e determinou duas possíveis fontes para a exposição à ameba, a primeira foi a casa da família no condado de Tarrant e a segunda foi a fonte do Don Misenheimer Park em Arlington. A cidade fechou imediatamente o ponto recreativo.

Segundo a avaliação das autoridades a criança provavelmente foi exposta ao organismo enquanto brincava com os respingos depois que os testes confirmaram a presença da ameba Naegleria ativa em amostras de água do parque.

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*