De amiga dos pobres a Santa da Igreja Católica

Primeira Santa Brasileira, Irmã Dulce, é canonizada um dia depois de Festa de Nossa Senhora – Padroeira do Brasil

Por Gabriel Dias / Foto: Reprodução

Papa Francisco canonizou, na última semana, a primeira Santa Brasileira em uma cerimônia solene no Vaticano realizada no último domingo (13). Cerca de 15 mil brasileiros compareceram no País para assistir à missa na Praça São Pedro.

Agora, Irmã Dulce será chamada de Santa Dulce dos Pobres. A freira, que morou em Salvador, na Bahia, nasceu em 26 de maio de 1914 e morreu aos 77 anos, em 1992. Durante sua peregrinação terrestre, a bem-aventurada sempre lidou com os pobres ajudando a dar comida e atenção básica de Saúde.

Pessoas que ainda vivem em Salvador e que conheceram Irmã Dulce dizem que ela ia às feiras coletar doações de alimentos para entregar aos pobres. Estas ações de caridade renderam a Dulce o apelido de “o anjo bom da Bahia.”

Em Salvador, Irmã Dulce construiu o hospital Santo Antônio, erguido em cima de um galinheiro do convento Santo Antônio. Graças à Irmã Dulce, o Hospital atende diariamente pouco mais de 5 mil pessoas.

Em 1988 ganhou o prêmio Nobel da Paz, já em 2001, foi considerada a “religiosa do século XX”. No ano de 2011 Dulce foi beatificada pelo bispo Dom Geraldo Majella Agnelo, em Salvador. Agora, em 13 de outubro, um dia depois de Nossa Senhora Aparecida, Irmã Dulce foi canonizada pelo Papa Francisco.

MILAGRES –  Para ser considerada Santa, especialistas no assunto investigaram a vida de Irmã Dulce no Brasil e pessoas que também conviveram com ela. Além destes detalhes, o Vaticano apurou dois milagres direcionados à Irmã Dulce que também aconteceram no Brasil.

A cerimonia liderada pelo pontífice da Igreja Católica foi iniciada pela manhã e contou com a presença de líderes de outros segmentos católicos e também do vice-presidente da República, Hamilton Mourão, e do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM).

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*