De Mogi para o mundo: judoca é um exemplo de dedicação e garra

Em poucos anos de judô, a garota de 15 anos já foi vice-campeã pan-americana; hoje, está inativa devido a uma grave lesão sofrida no joelho

Por Will Siqueira / Foto: Bruno Arib

Para não ser “engolida” pelo mundo das drogas, já que mora em um bairro dominado pelo tráfico, Denise da Costa Campos obrigou a filha, na época com 11 anos, a praticar judô, apenas como ocupação. Mas não imaginou como o esporte daria novos e ótimos rumos à vida da garota. Hoje, aos 15, Vitória Isabelle da Costa Campos já é uma das melhores judocas do Brasil na categoria até 18 anos.

Com apenas quatro anos praticando judô, a adolescente da Vila Natal, em Mogi das Cruzes, que começou a treinar sem nenhuma pretensão, já faturou mais de 20 medalhas. Dentre suas conquistas, as mais importantes aconteceram em 2018, onde ela atingiu, até o momento, seu auge como atleta: campeã Paulista, campeã da Copa São Paulo, campeã do Campeonato Sul-Americano – disputado no Equador – e, ainda, vice-campeã do Campeonato Pan-americano.

“Treino com pessoas mais pesadas que eu, e até mais fortes; treino até com homens, porque na minha academia tem poucas meninas. A luta é só com meninas, mas no treino é menino com menina, sensei (mestre) com o aluno”, explica Vitória, cuja faixa é roxa, sobre sua rotina como atleta do judô.

Vitória, que está inativa devido à quarentena e, também, a uma grave lesão no joelho esquerdo, se dedica bastante aos treinos, porém sem deixar de lado os estudos.

“Eu estudo de manhã, chego em casa, almoço e durmo um pouco para repor as energias para o treino; acordo, tomo um banho, um café e vou treinar. Às vezes, tenho que faltar para estudar ou para fazer alguns trabalhos da escola, porque a gente tem que pensar nos estudos também”, destaca.

Joelho lesionado

Aos 15 anos, a judoca está enfrentando seu primeiro grande drama como atleta de primeiro nível: durante um treino realizado na academia que frequenta, em março deste ano, quando se preparava para disputar a Copa São Paulo, a judoca sofreu um rompimento de todos os ligamentos do joelho esquerdo em um incidente envolvendo dois colegas.

“Nesse dia, eu estava bem focada mesmo, porque em 2019 não consegui muita coisa. E falei: a partir de hoje, vai ser diferente. Já tinha acabado o treino e eu quis fazer mais um. Foi quando eu cai (no tatame), aí vieram os outros dois e se jogaram em cima de mim. Eu não vi porque eu estava deitada. Os dois estavam lutando em outra área, só que passaram e caíram em cima do meu joelho”, descreve Vitória. “Pensei que tivesse quebrado a perna, porque era uma dor”, completa.

Para se recuperar normalmente e poder voltar ao judô, Vitória terá de fazer duas cirurgias que custam caro: R$ 16 mil. Então, sua mãe resolveu fazer uma campanha para arrecadar valores em prol da filha.

“Eu tenho uma cirurgia, no mês que vem, e vai ter a outra, que vamos ter que arcar com os custos”, comenta Vitória.

Quem quiser se solidarizar e participar da campanha, deve entrar em contato com a mãe da judoca por meio do telefone (11) 96194-5867.

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*