Em Cubatão, a OSS Caminho de Damasco prova a importância da saúde pública

Pacientes da Atenção Primária dizem que os serviços da rede básica possuem bom padrão de qualidade

Por Lailson Nascimento / Fotos: Bruno Arib

Em meio a uma crise sanitária causada pelo novo coronavírus, os serviços públicos de saúde vêm provando a sua importância. Ao mesmo tempo em que o SUS (Sistema Único de Saúde) é obrigado a se reinventar, os atendimentos para as outras doenças não podem ser paralisados. Diante do cenário, o jornal LEIA estreia uma série de reportagens sobre como os municípios do litoral paulista tem oferecido saúde para a população.

Não é novidade que a Atenção Básica é fundamental para o bom funcionamento dos serviços, afinal, “ela possibilita resolver até 80% dos problemas de saúde, reduzindo a busca pelas emergências dos hospitais e fornecendo um atendimento com maior qualidade”, como informa o Ministério da Saúde. Por conta disso, a Prefeitura de Cubatão, na Baixada Santista, investe no setor.

No mês de outubro, a OSS (Organização Social de Saúde) SBCD (Sociedade Beneficente Caminho de Damasco) completa três anos de atuação no município. Por meio de gestão conjunta com os servidores públicos da administração municipal, a entidade do terceiro setor está à frente do trabalho de 205 profissionais, entre médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas, psicólogos, auxiliares em saúde bucal, assistentes sociais, motoristas e do setor administrativo.

Diariamente, essas centenas de pessoas se dedicam entre as 18 unidades de atenção primária, duas unidades CAPS (Centro de Atenção Psicossocial) e o programa Melhor em Casa. Somente entre os médicos generalistas que atuam nos ESFs (Estratégia Saúde da Família), 24,3 mil atendimentos foram oferecidos entre janeiro a agosto, além de 7 mil consultas nos CAPSs e pouco mais de 600 atendimentos domiciliares.

“Por possuir sistema de gestão conjunta, a Secretaria Municipal de Saúde apoia integralmente Caminho de Damasco nas tratativas técnicas que surgem diante das demandas diárias das unidades”, enaltece a enfermeira e coordenadora assistencial Fabiana Bizon.

Opinião

A equipe de reportagem circulou em algumas unidades de saúde a fim de verificar, junto aos pacientes, a qualidade dos serviços.
Na unidade do Jardim Nova República – uma das maiores da rede -, só elogios ao trabalho.

“Eu frequento a unidade há uns cinco anos, e o atendimento sempre foi muito bom. Por ser um bairro afastado do Centro da cidade, ajuda muito ter uma UBS desse porte para a população. Hoje eu trato um problema que é de rotina, e sempre encontro tudo o que preciso aqui”, disse a dona de casa Deilda de Souza Silva, 44 anos.

Na UBS Morro do Índio, a avaliação também é de satisfação por parte dos pacientes.

“Eu não sou muito acostumada a vir ao médico, mas pelo que estou vendo aqui, o serviço é bom. Estou sendo bem atendida. Como faço acompanhamento da pressão, tenho vindo mais aqui, e está tudo certinho. Não tenho do que reclamar”, assegurou a também dona de casa Vera Lucia Pereira de Souza, 54.

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*