Enfermeira do Cresamu faz apelo sobre a importância da amamentação às crianças

Não há prazo para o fim do leite materno enquanto a criança sugar o seio de sua mãe, ressalta

Por Will Siqueira / Foto: Divulgação

“Eu tive três filhas. A minha mais velha tem quatro anos, a do meio dois anos e tenho uma de quatro meses agora; na minha primeira filha, eu não tinha tanto conhecimento apesar de ser da área da saúde. Tinha alguns mitos que eu acreditava ser verdade e isso me atrapalhou bastante na amamentação.”

Esse depoimento é de Adna Mariano Negrão, 34 anos, que, assim como milhares de mulheres, ao engravidar ouviu diversos tipos de boatos acerca da amamentação e do leite materno. Enfermeira do Samu há 11 anos e, hoje em dia, mães de três filhas, ela decidiu desmistificar tais boatos e, como ela mesma diz, falar da “importância do conhecimento na amamentação.”
Sobretudo nesses tempos difíceis de coronavírus.

“Com a pandemia, a gente acaba adaptando totalmente os tipos de cuidado”, observa. “Sempre que termino o meu plantão, eu tomo banho dos pés a cabeça, chego em casa, tiro toda a roupa, tomo um outro banho, troco de roupa e, aí, sim, eu posso ter acesso à minha filha para fazer a amamentação”, afirmou.

Segundo Adna, a amamentação é muito importante tanto para a mãe quanto para a criança.

“(A amamentação) ajuda na perda de peso (da mãe), a vida da mulher se torna melhor com a amamentação; esse mito que o leite de fórmula substitui o materno, não substitui, porque não tem anticorpo, afora o contato que a mãe tem com a criança”, garantiu a funcionária do Cresamu (Consórcio Regional do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência).

“Enquanto a mãe amamenta, sempre vai haver produção de leite. Ele só cessa quando a mãe para de amamentar. A nossa glândula mamária funciona sob estímulo, então, quanto mais você estimula, sendo por sucção do bebê ou por massagem, ela vai produzir mais leite”, explicou Adna.

Não existe leite fraco

“Pelo contrário. Ele é considerado um alimento ‘vivo’, pois sua composição se modifica a cada mamada para atender às necessidades do bebê. Além dos nutrientes, possui anticorpos que fortalecem a imunidade da criança”, acrescentou o enfermeiro do NEP do Cresamu, Fabio Caxico de Abreu Junior.

Tem leite suficiente?

Como o leite vai direto para a boca do bebê, não há como medir a quantia que ele consome. Isso pode deixar algumas mães inseguras. Alguns sinais de que está tudo bem: cocô e xixi normais, curva de crescimento em dia, bebê feliz.

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*