Enquanto uns dão, outros, maldosamente, tiram

Da Redação / Arte: André Jesus

O coronavírus está matando o povo e servindo para ver quem o socorre no momento pior da pandemia, lotada de dor, sofrimento e angustia. A bondade e a maldade humana estão sendo visceralmente expostas. O duro combate está favorecendo o lado maligno, facilmente visível no registro dos milhares de brasileiros mortos, e há ainda muitos para morrerem.

Se por um lado momentaneamente o mal triunfa é preciso registrar as ações de um pequeno exército lutando bravamente com poucos recursos, visando que o ataque da doença não tome proporções catastróficas maiores que as já existentes.

Não dá para colocar uma venda nos olhos e uma mordaça na boca para não ver e dizer que estamos perdendo a guerra. Só não temos o poder de vaticinar como vai ser o fim de todo o horror, e quantos estarão vivos para descrever o que e como aconteceu, e o que poderia ser feito para evitar tragédia humana tão terrivelmente devastadora.

O pequeno exército na linha de frente não sabe mais como conter a onda maligna, a não ser implorar vacina para todos. Entre uma e outra ação benigna para aplacar o mal, têm uns que dão alimentos, outros um pouco de dinheiro para a imensa quantidade de pessoas desgraçadamente vitimadas pela pandemia e suas consequências fatais. Os que dão trazem esperanças.

Até o Governo Federal, cuja forma animalesca de tratar a pandemia é destratar e escoicear os que o critica, deu uma quantia ínfima para ajudar os pobres a não morrerem de fome. Nem o Governo Federal, que é delirante, não fez a covardia que está sendo feita em Poá.

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*