Falta de palanque em Minas Gerais vira tormento para Bolsonaro

Recusado por Zema, presidente enfrenta dificuldades de encontrar palanque forte no terceiro maior colégio eleitoral do país

Da Redação / Foto: Reprodução

Com apenas duas semanas do início oficial das campanhas às eleições de 2022, o presidente Jair Bolsonaro (PL) vem encontrando dificuldades de estabelecer um palanque forte no estado de Minas Gerais. Considerado o terceiro maior colégio eleitoral do país, o estado é considerado chave em toda eleição presidencial.

Até o momento, todos os eleitos Presidentes da República venceram entre os mineiros. Para Bolsonaro, esse palanque se faz ainda mais urgente em 2022 por conta da larga vantagem que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem nos estados da região Nordeste, considerada “inalcançável” inclusive pela campanha bolsonarista.

Para reverter a vantagem de Lula também em Minas, de cerca de 60% nas pesquisas, Bolsonaro tentou uma aproximação com o atual governador e candidato à reeleição, Romeu Zema (NOVO), que, levando em consideração a rejeição do capitão no estado, recusou um acordo.

Tendo esta conjuntura como plano de fundo, a campanha bolsonarista então recorreu à candidatura do senador Carlos Viana (PL) ao governo. Eles devem se reunir nesta semana para tratar do assunto.

Viana, no entanto, deve pedir ao presidente que, em troca do palanque, peça aos partidos que o apoiam na reeleição nacional, como o Republicanos e o Progressistas, para embarcarem em sua campanha em Minas.

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*