‘Fui avaliado melhor do Brasil’, diz Colucci

Ex-prefeito de Ilhabela, Toninho Colucci afirma que risco de não concorrer à eleição para prefeito é zero

Por Will Siqueira / Foto: Marcelo Fontes

Em entrevista exclusiva ao LEIA, o ex-prefeito de Ilhabela Antonio Luiz Colucci (conhecido como Toninho Colucci) garantiu que concorrerá às eleições deste ano visando ao cargo de prefeito do município – seria seu terceiro mandato. Segundo ele, cuja pré-candidatura ocorre pelo PL, a probabilidade de não estar no pleito é zero.

“Sou pré-candidato. Nada, hoje, me impede de ser candidato a prefeito. Até porque, todas essas ações que a Justiça tem contra mim, elas não transitaram em julgado. É importante falar o seguinte: eu fui prefeito por oito anos e tive os oito anos de contras aprovadas, a última, em 2016, com louvor”, afirmou Colucci. “Fui avaliado, em 2016, pelo Conselho Federal de Administração como a melhor administração do Brasil e eu o melhor prefeito do Brasil. Então, eu cumpri minhas obrigações”, ressaltou.

O ex-prefeito de Ilhabela ainda concorreu ao cargo de deputado federal nas eleições de 2018, ficando com uma vaga de segundo suplente. “Fiz 30.996 votos no Estado de São Paulo, faltaram quatro votos para 31 mil; então, pude ser candidato a deputado federal”, reiterou.

Colucci destacou sua atuação como prefeito em dois mandatos – de 2009 a 2016 –, inclusive sendo, segundo ele, o único do litoral a ter tudo aprovado pelo TCE-SP. “Eu fui o único prefeito do Litoral Norte com todas as contas aprovadas no Tribunal de Contas do Estado.”

Mas disse também que, durante sua gestão, acabou fazendo vários inimigos políticos.

“Tenho adversários poderosos. Eu enfrentei interesses aqui na cidade, sou um prefeito que não abaixa a cabeça, enfrento os problemas. Então, esse enfrentamento que tive nesses oito anos como prefeito, me deram diversos inimigos, gente que tem interesse econômico”, advertiu, observando que essas pessoas não “concordam com o valor que eu dou às questões públicas; e esses adversários não querem que eu volte a ser prefeito.”

Para Colucci, “eles sabem que se eu voltar, as mamatas irão deixar de existir no meu governo.” “Quem quiser ganhar a eleição de mim, vai ter de ganhar na urna. No tapetão, não vai ganhar porque eu sou pré-candidato. Nenhum desses processos vai me impedir de ser”, ratificou.

O pré-candidato do PL não está sozinho. Ele faz parte de um grupo que envolve o seu partido e mais sete legendas: PP, PSB, PCdoB, Avante, Cidadania, PDT e o Democratas. “É um time forte, um exército, que entende que eu sou a melhor opção para a cidade”, frisou Colucci.

Analisando o período em que governou, o ex-prefeito disse que “a cidade estava praticamente falida.” “Com um orçamento de R$ 72 milhões, deixei para a atual gestão um orçamento beirando R$ 1 bilhão, é uma outra Ilhabela. Eu quero voltar a ser prefeito para fazer mais do que eu fiz de 2009 a 2016; muita coisa a gente fez, mas muita coisa ainda pode ser feita.”

Ao final da entrevista, Colucci deixou um aviso ao eleitor:

“Você vai chegar na frente da urna, vai apertar meu número, e se aparecer minha fotografia e meu nome, e você quiser votar em mim, aperta a tecla verde; se não quiser, aperta o laranja e vota no seu candidato. Quem quiser votar no Toninho Colucci vai ter essa opção.”

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*