IBGE aponta 13,5 milhões que vivem na miséria no Brasil

A miséria dos brasileiros e de famílias que vivem no Alto Tietê

Por Bruno Arib / Foto: Bruno Arib

Brasil chega a 13,5 milhões de pessoas vivendo no estado de miséria e é um número superior a alguns países como Bélgica, Cuba, Portugal e Bolívia.

O estado de pessoas vivendo em situação de miséria vem crescendo desde a crise de 2015. Em 2014, 4,5% dos brasileiros viviam abaixo da linha de extrema pobreza. Em 2018, esse porcentual subiu ao patamar recorde de 6,5%. Em quatro anos de piora na pobreza extrema, mais 4,504 milhões de brasileiros estão em situações difíceis. País bate o recorde de miseráveis em sete anos.

Não diferente, no Alto Tietê a GAZETA lembra de alguns casos

Em março de 2018, o repórter Aristides Barros foi até o Distrito de Jundiapeba em Mogi das Cruzes aonde o ex-motoboy Francisco Neto de Almeida, 46 anos, vive com a esposa Lucélia Pereira Gonçalves, 39 anos, e os filhos Fernando, 17 anos; Lisandra, 16 anos, Vitor, 10 anos; Valéria, 5 anos; e Larissa, 2 anos, não se enquadra no que é chamado de casa humilde: fica bem longe deste conceito.

 Vida da família é uma sobrevida, a casa, uma submoradia: todos eles vivem em condições subumanas.

Em outubro de 2018, o repórter Gabriel foi até o Bairro Vila Sônia em Itaquaquecetuba entrevistar famílias que vivem em situação difíceis.

Com medo de perderem suas casas, mais de uma vez elas receberam visitas na terça-feira (9) de agentes fiscais de posturas, da Polícia Militar e da Guarda Municipal da cidade. Essa tem sido a rotina de dezenas de pessoas que, sem ter para onde ir, ocuparam o terreno. Segundo a prefeitura, o local é uma APP (Área de Preservação Permanente).

Em dezembro de 2018, o repórter Gabriel foi até Jardim Planalto, em Mogi das Cruzes para entrevistar Willian esposo de Janaina, ajudante que por conta da dura crise financeira do País contribuiu para que ele fosse mais um na lista do

desemprego. Para sustentar a família, ele caminha quilômetros e mais quilômetros empurrando um carrinho de reciclagem.

No final do dia, o autônomo ganha aproximadamente R$ 40. Segundo ele, com este valor se compra mistura e pão para o café. Os outros utensílios são por meio de doações de igrejas evangélicas da região.

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*