Mogiana se dedica há 20 anos para estimular a inclusão de pessoas surdas no município

Professora defende curso de Libras na Educação Básica

Por Giovanna Figuieredo / Foto: Bruno Arib

Inclusão em todos os espaços. É isso o que sonha a tradutora e interprete de Libras (Língua Brasileira de Sinais) Erika Karen Figueiredo Barbosa. Para a professora mogiana, o ideal seria que a inclusão começasse nas creches, com uma disciplina especializada sobre o assunto em diversos aspectos, para que todas as crianças ouvintes ou deficientes auditivas pudessem estudar em escolas bilíngues (português e libras).

Um dos primeiros contatos de uma pessoa com o mundo e com a comunicação se dá através do ouvir. Primeiro são apenas sons, depois a pessoa aprende os significados e, em seguida, começa a falar e a se comunicar.

Ciente da importância disso, há 20 anos, Erika tem trabalhado para levar esse conhecimento para mais pessoas.

“Eu dou aulas de Libras, através da ‘Para Todas’, minha empresa. Veio a pandemia e eu havia parado, até que, por incentivo dos alunos, decidi fazer online. Foi um sucesso, já formei duas turmas, uma de 40 alunos e outra com 80 alunos. Faço um curso gratuito (só paga se o aluno quiser a certificação) totalmente online e flexível”, explica.

Erika segue sonhando e tralhando para ter um mundo cada vez mais inclusivo. E se você quiser fazer parte disso, é só entrar em contato com ela pelo telefone: (11) 9 7553-7192.

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.

Nenhum comentário sobre: “Mogiana se dedica há 20 anos para estimular a inclusão de pessoas surdas no município

  1. Já desanimei de aprender Libras!
    É Muito difícil.
    Tenho dó, do meu Sobrinho, nunca teve acesso a Libras.
    Começou numa creche, onde poderia ter iniciado ali o contato com a Libras. Ele e os seus familiares.
    Agora com 21 anos, depois de Concluido o Ensino Médio e não ser Alfabetizado.
    Está Muito difícil.
    É o Trabalho, é a dificuldade de encontrar uma escola Bilíngue, ou profissional para Alfabetizá lo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*