Moradores de César de Souza exigem saúde e mais atenção

Mogianos esperam há anos por limpeza de córrego melhorias no trânsito e implantação de posto de saúde no Jefferson. Fotos: Bruno Arib

 

De Mogi

 

Considerado pelos próprios moradores como um bairro esquecido pelo Poder Público municipal, o Conjunto Jefferson, situado no distrito de César de Souza, em Mogi das Cruzes, vive, atualmente, um cenário desprovido de investimentos na área da saúde.

A dona de casa Cleusa da Silva mora no local há 16 anos e relata as dificuldades que os moradores enfrentam quando precisam do serviço básico. “Tem que se deslocar até o posto de saúde da Vila Suíssa ou até a UPA do Rodeio, porque não temos outra opção. Se você tiver dinheiro, tudo bem. Agora se não tiver, fica doente em casa ou chamar uma ambulância. Precisamos de uma Unidade Básica de Saúde aqui no Jefferson. Esse bairro é muito esquecido, parece que nos jogaram aqui e deixaram”, relatou a moradora.

A moradora afirma estar desperançosa com o futuro politico da cidade. “Em tempo de campanha eleitoral, todo mundo vem falar que vai fazer isso e aquilo, mas depois some. Um vereador eleito na eleição passada prometeu que iria fazer uma lombada aqui na nossa rua. Está acabando o mandato dele e a rua continua sem lombada, nunca mais apareceu”, disse.

Na rua 2, em frente à casa da Dona Irene, o problema é o esgoto a céu aberto, que está completando aniversário de 18 anos e ninguém resolveu. “Esse esgoto vai e volta. A gente limpa a casa e fica esse mau cheiro. Aqui é gostoso de morar, mas, infelizmente, têm estas questões que nos deixam triste. Até agora ninguém fez nada para resolver”, criticou.

Na Vila Aparecida, o motorista Gilberto Aparecido dos Santos é morador da rua Jair de Lima Ferreira, que fica em frente ao córrego dos Corvos. A situação dele não é muito diferente da dona Irene. “Quando chove enche o córrego e essa região vira uma lagoa, evitando até o tráfego dos moradores. César de Souza cresceu muito, e não deveria ter um córrego desse jeito. Aqui próximo tem o largo da feira e o esgoto passa por baixo. Nós temos na vila um vereador que foi eleito, mas nunca fez nada. Eu estou indignado”, frisou o motorista.

 

Crescimento

Com cerca de 40 mil moradores e em franco crescimento e desenvolvimento econômico, o distrito está se expandindo e recebe empreendimentos imobiliários e comerciais. A expansão pode ser notada no saturado trânsito da avenida Ricieri José Marcatto. “Não é querendo ser pessimista, mas esse trânsito não vai melhorar nunca. Não tem uma saída. Se existisse uma avenida paralela, quem sabe. O que tem é muita promessa, agora nas eleições mais ainda”, ressaltou o proprietário de uma banca de jornal da Ricieri.

 

Posicionamento

Questionada, a Prefeitura de Mogi das Cruzes respondeu alguns pontos da reivindicações dos moradores de César.  À seguir, conteúdo na íntegra.

“Em relação à rua 2, no Conjunto Jefferson, uma equipe do Semae irá ao local para verificar o problema e adotar as medidas necessárias para solucioná-lo.  A autarquia lembra que a população pode solicitar o serviço diretamente pelo telefone 115.

Quanto ao córrego no Jardim São Pedro, o Semae concluiu em janeiro a implantação do coletor-tronco do córrego dos Corvos. Diante da reclamação, uma equipe irá ao local para verificar se há algum vazamento ou ligação irregular na rede de águas pluviais.

Sobre a limpeza das margens do córrego dos Corvos, na avenida Vereador Antônio Teixeira Muniz, a Secretaria Municipal de Serviços Urbanos informa que a Administração Regional de César de Souza foi acionada para vistoriar o local e providenciar os serviços necessários.

Já a Secretaria Municipal de Transportes informou que a avenida Ricieri José Marcatto vem recebendo uma série de ações para a melhoria da circulação de veículos e do transporte coletivo. Entre as medidas estão o recapeamento da via, o alargamento da passagem de nível e a implantação de equipamentos, como semáforos e canteiro central para a melhoria da segurança de motoristas e pedestres”.

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*