Moradores do Jardim São José, em Ferraz, estão literalmente abandonados na merda

O Jardim do Castelo tem um matagal que, por relaxo da prefeitura, virou ambiente de cobras

Por Will Siqueira / Fotos: Bruno Arib

Quarta-feira (14) foi o aniversário de 67 anos de Ferraz de Vasconcelos. Porém sua população não tem o que comemorar atualmente. Ruas esburacadas e sem asfalto, matagal de onde saem até cobras, esgoto a céu aberto, falta de iluminação nas ruas e inexistência de áreas de lazer são apenas algumas das reivindicações exigidas pelos moradores da cidade, com os quais, segundo eles próprios, o prefeito José Carlos Fernandes Chacon (Republicanos), o Zé Biruta, nunca se preocupou.

E a GAZETA foi conferir as situações humilhantes vividas diariamente por moradores de três bairros da periferia de Ferraz. São eles: Jardim São José, Jardim Yone e Jardim do Castelo.

No Jardim São José, a situação dos moradores da Rua Valmir Alves dos Santos, por exemplo, é lastimável.

“Como aqui é considerado favela, a gente fica à mercê. A gente [moradores] compra material [de construção] e tem que dar R$ 20,00 de caixinha para o caminhão trazer, para termos uma melhoradinha na frente da casa da gente”, relatou Josias Cordeiro Marques, que mora no bairro há 30 anos.

Essa é a pior rua do bairro – esburacada, mato alto ao redor, difícil acesso para carro, quando chove é horrível para os moradores – e, segundo Marques, o atual prefeito não fez nada no local: “Aqui, para nós, não. Pode ter feito lá no Centro, aqui, não.”

Ainda no Jardim São José, em outra rua, a moradora Margarete Dias de Almeida Bráulio reclama, muito nervosa, de que “não tem esgoto aqui, não; a água de merda vai para o meu quintal.”

“A situação aqui é desesperadora. Esse prefeito não fez nada, nunca vi o Zé Biruta aqui. Moro aqui há mais de 20 anos e nunca vi um monte de casa que não tem esgoto, nunca vi um negócio desse aqui. Esse é um lugar esquecido”, lamentou Margarete.

Perto dali, no Jardim Yone, a realidade também é dura para a população.

“O bairro está abandonado pela prefeitura. Minha casa é do lado de um córrego, esgoto aberto, e, quando chove, transborda. Esse prefeito até agora não veio aqui; na verdade, ele passou quatro anos sem ninguém saber onde é que ele estava”, criticou Joelma Bezerra.

Logo adiante, no Jardim Castelo, os problemas destacados pelos moradores são o matagal enorme perto de suas casas (eles moram próximo a uma área verde), de onde, segundo eles, saem cobras, e a falta de uma área de lazer para as crianças. Detalhe: no aniversário de Ferraz, os moradores do Jardim Castelo estavam o dia todo sem água.

“Nenhuma [opção de lazer]. Tem nada. Nenhum parque nem nada para as crianças se divertirem. E está sem água também, e ninguém sabe que dia vai voltar”, afirmou Felipe Oliveira, que vive há 10 anos no bairro. A falta de iluminação também é um problema. “Não tem luz na rua, faz tempo; só um poste que tem. E, com o sol quente, sai até cobra [do matagal], sobe cobra para cá”, completou.

Moradora da Viela Arcoverde, Caroline Figueiredo também expôs a situação caótica em que vive: “Hoje mesmo estamos sem água, nesse calor, e, aqui, a maioria não tem caixa d’água. É só promessa [da prefeitura] e nada acontece. O prefeito nem dá as caras.”

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*