Na mira: depois de Junji, propaganda partidária do PR foca ataques a Gondim

Após Junji anunciar desistência das eleições por ataques do PR, legenda volta a subir o tom ofensivo de campanha, agora contra médico. Foto: Divulgação

 

Por Renan Xavier

De Mogi

 

Na semana em que o ex-prefeito de Mogi das Cruzes e suplente de deputado federal Junji Abe (PSD) sucumbiu aos ataques oposicionistas, desistindo de lançar candidatura pela retomada do antigo cargo, o deputado estadual em quinto mandato Luiz Carlos Gondim (SD) tornou-se o novo alvo das ofensivas do Partido da República (PR), que tem como um dos caciques políticos o ex-deputado federal Valdemar Costa Neto, o Boy, envolvido no Escândalo do Mensalão. Surpreendido pelos ataques, Gondim antecipou ao Gazeta Regional que convocará coletiva de imprensa para segunda-feira (27) para se posicionar sobre as acusações.

Em propaganda política de aproximadamente 30 segundos veiculada na noite de sexta-feira (24), o PR compilou uma série de matérias publicadas na imprensa ligando o nome do deputado ao Escândalo da Merenda, esquema de desvios de verba na compra de alimentos para abastecer a rede estadual de educação.

Atualmente, o caso está sendo investigado pela Operação Alba Branca, da Polícia Civil, que busca desvendar o sistema de pagamentos de propinas, fraudes de licitações e superfaturamentos de produtos agrícolas usados na merenda.

O nome de Gondim não é alvo de investigação direta, segundo o processo de número 0008635-26.2015.8.26.0072, disponível no portal do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP). A informação foi omitida pela propaganda republicana.

Em entrevista realizada no dia anterior à veiculação da propaganda, Gondim foi enfático na defesa: “Não tenho participação em esquema nenhum”.

 

Reação

Por telefone, o advogado do deputado Gondim, Dirceu Valle, reiterou que o parlamentar sequer é investigado por envolvimento no esquema de desvio e anunciou que o partido Solidariedade possivelmente entrará com representação criminal contra os autores da peça eleitoral.

O jurista justifica que o PR distorceu e apontou informações incompletas na propaganda, em contrariedade com a obrigação de apresentar o programa político da legenda.

 

Propaganda

Veiculada ao menos duas vezes na noite de 24 de junho, a propaganda partidária do PR reproduziu o modelo da utilizada contra Junji Abe (PSD), semanas antes, com o recorte de notícias veiculadas por jornais atrelando o nome do pré-candidato Luiz Carlos Gondim (SD) ao Escândalo da Merenda.

Segundo o texto da peça eleitoral, “O jornal O Globo publica que Gondim é acusado de participar da fraude da merenda escolar; a revista Veja mostra que grampos telefônicos citam o deputado; o jornal Agora São Paulo relaciona Dr. Gondim com propina; o jornal Folha de São Paulo relata que Gondim abriu um monte de prefeituras para vender merendas superfaturadas. Venha para o PR e nos ajude a fiscalizar”.

 

Exclusivo

Gazeta Regional teve acesso a documento sigiloso que aponta suposto funcionário da administração de Marco Bertaiolli (PSD) como receptor de propinas da Máfia da Merenda. Em delação premiada, Marcel Ferreira Júlio, apontado como operador de propinas e lobista do Escândalo da Merenda, cita nome de possível ex-funcionário Enio Esparrinha.

 

Deputado rebate críticas e destaca prioridades de sua possível gestão

Em entrevista dada ao Gazeta Regional na quinta-feira (23), o médico obstetra Luiz Carlos Gondim garantiu estar munido de propostas para a cidade e chegou a apostar numa campanha limpa, baseada no embate de propostas e não nos ataques pessoais – alertando, contudo, que estaria pronto para se defender. A expectativa não se sustentou sequer por um dia, com a veiculação da propaganda eleitoral, na noite seguinte.

Na quarta-feira (22), o médico obstetra esteve reunido com o colega de profissão e vereador Francisco Moacir Bezerra de Melo Filho, o Chico Bezerra (PSB), para “falar de política”. Questionado sobre o que achava de uma possível chapa com o médico, Gondim afirmou que “seria uma situação muito boa para a cidade, pois para a população, a saúde é o grande problema de Mogi”.

Ainda sob os reflexos da eleição anterior, quando desistiu de lançar candidatura, Gondim rebateu boatos de que voltaria a declinar o embate. “Uma coisa é uma situação como a das eleições passadas, quando o prefeito tinha 64% de intenções de voto e ainda tinha a máquina pública e você entraria numa campanha sem nenhuma condição financeira”, pondera. “Hoje a situação é mais difícil, pois você só pode receber doações de pessoas físicas. O que mais conta agora é ser bom de ‘sola de sapato’ e ser “bom candidato”, destaca o deputado, que se define como um político “do povão”.

O pré-candidato do Solidariedade insiste no cálculo de uma vantagem virtual sobre os adversários em razão do novo modelo eleitoral. “Nessa atual conjuntura política, em que existe uma dificuldade em se investir, em conseguir verba para campanha, por não ter mais os investimentos empresariais, cria-se uma situação que favorece a mim”.

 

Oposição

Durante a entrevista, o político mogiano elencou diferenças entre seu perfil político e o de seu principal adversário, o diretor-geral do Serviço Municipal de Águas e Esgotos (Semae), Marcus Melo (PSDB).

“Minha origem é diferente da do Marcus Melo. Eu sou muito mais ‘povão’, muito mais de ajudar o próximo, realizar trabalhos de assistência social. Tanto que a maioria das minhas emendas é para Apaes, Santas Casas, entidades, asilos. Eu trabalho dessa maneira, é uma opção minha. Com isso, já fui eleito cinco vezes deputado, ininterruptamente”.

 

Damasio troca ofensas com advogado em redes sociais

O deputado estadual Marcos Damasio (PR) bateu boca, ou melhor, teclado, com o advogado Delmiro Goveia pelas redes sociais. A discussão começou quando Goveia criticou as inserções do PR na TV, acusando o deputado republicano de participação no discurso. O advogado afirmou que Gondim é vítima de “caluniadores e difamadores, em falsas notícias plantadas”. Sobrou até para o prefeito Marcos Bertaiolli (PSD), indicado como aliado do “mensaleiro e ex-presidiário” Boy.

Damásio se defendeu das acusações, se isentando de participação na produção das peças eleitorais. “Fui vereador junto com o Gondim, sou deputado junto com ele, somos amigos há muitos anos, essas veiculações nada têm a ver comigo, o Gondim sabe disso, esse nunca foi o meu estilo de fazer política”, afirmou. O deputado sugeriu que o advogado deixasse de “envergonhar sua família” e sugeriu que ele teria “problemas mentais”.

Depois disso, o nível da discussão entre o parlamentar e o jurista desceu ainda mais, com acusações recíprocas de corrupção e de calote.

 

 

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*