O rio que nasce e morre no Alto Tietê

Imagens e Edição: Bruno Arib

O rio mais simbólico do Estado de São Paulo também tem o seu dia em especial: 22 de setembro, o qual foi escolhido a fim de intensificar a luta por sua despoluição e valorização. O rio dos paulistas, pois atravessa todo o Estado, de leste a oeste, nasce em Salesópolis, mas, apenas 72 quilômetros depois, em Itaquaquecetuba já está “morto”.

Em seus 1.100 quilômetros de extensão, o Rio Tietê sofreu, e ainda sofre, com o relaxo dos homens e das indústrias em relação a ele. Em muitos trechos, ele não tem vida animal nem vegetal por estar altamente poluído.

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*