Pesquisa aponta: Delegado Eduardo Boigues deve se eleger prefeito de Itaquá no 1º turno

Feito pelo Instituto Paraná Pesquisas, levantamento revela que 2º turno é quase improvável

Por Lailson Nascimento / Arte: André Jesus

Com a segunda maior quantidade de eleitores do Alto Tietê (mais de 239 mil), Itaquaquecetuba deve encerrar as eleições nesse domingo (15). A previsão é de um matemático que, a pedido da GAZETA, analisou a pesquisa eleitoral divulgada no dia 27 de outubro pelo Instituto Paraná Pesquisas. O levantamento, registrado no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sob o nº 09998/2020, indica que o Delegado Eduardo Boigues (Progressistas) vai se eleger Prefeito de Itaquaquecetuba já no primeiro turno.

De acordo com o cenário exposto pela Paraná Pesquisas e analisado pelo matemático, Boigues possui 63,62% da preferência dos eleitores quando considerados apenas os votos válidos, isto é, sem indecisos, brancos e nulos. Nesse mesmo cenário, ele está com cerca de 44 pontos percentuais a frente da segunda colocada Adriana Felix (PL), a Adriana do Hospital, que terminou a pesquisa com 19,12% dos votos válidos (uma das mais rejeitadas, conforme cálculo abaixo). Heroilma Lins (Avante) registrou 10,65%, Fabiano Soares (PT) pontuou 3,38% e Moacyr Fernandes (Patriota) tem 3,21%. O cálculo considera 591 votos válidos no cenário total de 800 entrevistas.

O instituto também mediu o índice de rejeição dos concorrentes à Prefeitura de Itaquaquecetuba. Quando perguntados em quem não votariam “de jeito nenhum”, os entrevistados apontaram que Heroilma é a candidata mais rejeitada em Itaquá, com 48,31% dos votos válidos. Na sequência, aparecem Adriana do Hospital, com 20,78%, Delegado Eduardo Boigues, com 10,67%, Fabiano, com 10,11%, e Moacyr Fernandes, também com 10,11%.

Realizado pelo Instituto Paraná de Pesquisas e Análise de Consumidor Ltda e contratado pela própria empresa, o levantamento ocorreu entre os dias 22 e 25 de outubro e considera amostra composta por 800 eleitores do município. A margem de erro é de 3,5 pontos percentuais para mais ou para menos, com nível de confiança de 95%.

Coligação de Adriana do Hospital tentou censurar a pesquisa

Depois que o levantamento realizado pelo Instituto Paraná Pesquisas foi divulgado nas redes sociais, a coligação da candidata à prefeita Adriana Félix (PL), a Adriana do Hospital – que reúne os partidos PL, PSC e PRTB -, tentou censurar a divulgação dos resultados.

Ao recorrer à Justiça Eleitoral, o grupo de Adriana do Hospital alegou, em resumo, que a somatória de votos válidos da pesquisa do Instituto Paraná atingia 102%. Além disso, a coligação da candidata incluiu no processo a publicação de outra pesquisa, divulgada na mesma data, e que trazia resultados diferentes do levantamento da Paraná Pesquisas.

Diante do quadro, a sentença inicial foi favorável à candidata do PL. Entretanto, o advogado da coligação de Delegado Eduardo Boigues (Progressistas) não só comprovou que “a representante [Adriana do Hospital] induziu o juízo a erro”, mas “colocou um exército para criar e divulgar fake News contra o representado Eduardo Boigues.” “Suas alegações não passam de falácia genérica, própria de quem está atrás em todas as pesquisas de intenção de voto”, arrematou o especialista em direito eleitoral Leonardo Freire.

A juíza eleitoral Erica Pereira de Sousa, que permitiu a divulgação da pesquisa eleitoral, concordou om a defesa.

“Após a apresentação das peças defensivas e aprofundamento cognitivo, constato que não há substrato probatório suficiente para qualificar as pesquisas como fraudulentas e condenar os representados. Ambas as pesquisas estão devidamente registradas, como determina o art. 33 da Lei n. 9.504/97 e art. 2º da Res. TSE 23.600/19, e o fato de trazerem resultados diversos não possibilita a conclusão de fraude ou manipulação de dados. A própria coligação representante afirma em exordial que ‘a discrepância de números revela que uma ou outra ou as duas, podem ter sido alteradas’. Ou seja, firmou sua tese em uma conjectura”, sentenciou.

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.

2 comentários sobre: “Pesquisa aponta: Delegado Eduardo Boigues deve se eleger prefeito de Itaquá no 1º turno

  1. Pesquisa fale!

  2. Eu quero saber se tem segundo turno

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*