Polícia diz que sequestrador de ônibus no Rio se inspirou no Massacre de Suzano

Vitrine: O massacre que ceifou a vida de alunos, funcionários e também a dos atiradores, em Suzano, foi inspiração para Willian

Por Gabriel Dias / Foto: Divulgação

RIO DE JANEIRO – Durante investigação, a Polícia Civil do Rio de Janeiro encontrou no celular de Willian Augusto da Silva, de 20 anos, o sequestrador do ônibus na ponte Rio-Niterói que foi morto por um sniper da Polícia Militar na última segunda-feira (20), fortes indícios de que o criminoso teria se inspirado no massacre da Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano – Zona Leste da Grande São Paulo.

Os investigadores ainda tentam coletar mais dados, no entanto, leva tempo. O que se sabe, é que Willian pesquisou por várias vezes o massacre da Raul Brasil pelo seu celular, procurando também, uma banda musical igual à que os atiradores suzanenses se inspiraram antes de matar as vítimas em março deste ano.

Os policiais também estudam o fato de Willian falar com alguém ou não no dia do sequestro, já que ele usava fones de ouvido. A linha telefônica usada pelo sequestrador segundo os investigadores, não era dele, e sim de outra pessoa já identificada e que será chamada pela polícia a depor.

As especulações continuam, e as linhas das investigações usadas no caso também procuram informações de Willian na deep web – submundo da internet muito frequentado por bandidos e adeptos da prática de terrorismo.

O que chama atenção dos policiais, são detalhes que causam certa coincidência entre Willian e alguns atiradores conhecidos como “incel” – termo usado para homens sexualmente frustrados e que praticam celibato involuntário, já que não conseguem ter relações sexuais e culpam outros homens por conseguirem. O DH (Departamento de Homicídios) da Polícia Civil do Rio de Janeiro, continua com as investigações.

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.