Políticos e enchentes: velhos conhecidos

Da Redação / Arte: André Jesus

A cada quatro anos as promessas se renovam: “Acabarei com as enchentes na nossa cidade.” A frase de efeito, velha conhecida da população, muitas vezes ajuda a ganhar votos. O político (de ambos os sexos) é eleito, seu tempo de governo passa, mas a outra velha conhecida da população, a enchente em si, essa não passa. Entra verão, sai verão, e até as páginas de jornais são repetitivas quanto ao assunto.

A semana que passou teve início com um dos maiores alagamentos já registrados na cidade de São Paulo. E os efeitos, é claro, foram sentidos no Alto Tietê. Em Itaquaquecetuba, por exemplo, 228 pessoas chegaram a ficar desalojadas após o Rio Tietê transbordar. Além de sofrer com a ocupação desordenada do solo, a cidade está localizada antes da Barragem da Penha (na Capital), ponto que, segundo os políticos locais, atrapalha a vazão do rio na altura de Itaquá.

O Condemat (Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê) teve uma reunião com o secretário estadual de Meio Ambiente, Marcos Penido, logo no início do ano. Na ocasião o grupo de prefeitos apresentou uma relação detalhada, por município, dos córregos e rios que precisam de intervenções. São, ao todo, 74 pontos que causam alagamentos e enchentes, segundo o consórcio. Voltaram com a seguinte frase de Penido: “Se for possível, vamos fazer sim.”

Mas o grupo de prefeitos do Alto Tietê se esqueceu que este ano acontecem eleições municipais, não estaduais. Logo, ainda não é o momento de o governo estadual renovar promessas. E os alagamentos? Esses não vão falhar.

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*