Projeto Mogi Contra Fome é lançado pela prefeitura

Pessoas que precisam de ajuda com alimentos devem acessar o cadastro Mogi Contra Fome

Da Redação / Foto: Divulgação

A Prefeitura de Mogi das Cruzes lançou nesta quinta-feira (29) o projeto Mogi Contra Fome. Trata-se de uma iniciativa integrada da Administração, que tem como objetivo distribuir alimentos para os cidadãos impactados pela pandemia e, assim, diminuir os reflexos gerados pela crise sanitária, econômica e social. Quem precisa de ajuda com alimentos deve acessar e preencher o cadastro Mogi Contra Fome, que já está disponível. 

Acesse o cadastro

O cadastro solicita dados pessoais e também informações sobre a composição familiar, com o intuito de identificar a situação de vulnerabilidade do inscrito. Poderão receber auxílio com alimentos moradores de Mogi das Cruzes que se enquadrem no perfil de vulnerabilidade social e que estejam cadastrados no sistema.

Alguns dos critérios que serão considerados no momento da seleção são: ter renda familiar de até 3 salários mínimos, estar inscrito do CadÚnico (Cadastro Único), ter filhos matriculados na rede municipal de ensino, ser MEI (Microempreendedor Individual), ser cadastrado em alguma instituição social e já receber auxílio dos governos municipal, estadual ou federal. Serão priorizados moradores de Mogi que ainda não estão sendo atendidos por algum benefício.

O cadastro pode ser preenchido em poucos minutos e a orientação é para que apenas um membro por família se inscreva. Quem não tiver acesso à Internet ou tiver dificuldades para lidar com o sistema pode se inscrever por meio da Ouvidoria Geral, pelo telefone 156, na opção 8 do atendimento eletrônico. O atendimento telefônico acontecerá de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h.

A proposta é atender ao número máximo possível de pessoas, mas é importante destacar que o preenchimento do cadastro não necessariamente serve como garantia de atendimento. Isso se dará mediante a constatação da situação de vulnerabilidade social e também conforme os estoques disponíveis de alimentos.

O Mogi Contra Fome tem outra vertente, que é o recebimento de doações. A Prefeitura de Mogi das Cruzes, a partir do recém-criado CIAM (Comitê Integrado de Apoio ao Mogiano), abriu o chamamento público nº 005/2021, com o objetivo de captar doações e, assim, poder ajudar os mogianos mais fragilizados neste momento.

Qualquer pessoa física ou jurídica pode ajudar doando bens ou serviços, tais como alimentos, máscaras, álcool em gel, água, equipamentos, medicamentos, insumos e serviços em geral. Consulte a página do CIAM para mais informações e também para ter acesso ao chamamento público na íntegra. Quem quiser ajudar a Prefeitura com doações também pode entrar em contato por meio do e-mail [email protected].

Esta é mais uma medida de apoio aos cidadãos mogianos, no enfrentamento à pandemia. Desde o início do ano, a Administração já vem desenvolvendo diversas ações e projetos, que visam arrecadar e distribuir alimentos para pessoas em situação de vulnerabilidade. Só pelo Fundo Social de Mogi das Cruzes, que trabalha exclusivamente com doações e atende instituições sociais, foram 12,7 toneladas de alimentos não perecíveis, mais 898 cestas básicas recebidos.

Já pela Secretaria de Assistência Social, foram 28.779 cestas básicas recebidas do Governo do Estado e distribuídas pelo programa Alimento Solidário, mais 17,5 toneladas de alimentos frescos adquiridos de agricultores locais pelo projeto Quitanda Social, e outras 8,2 toneladas de alimentos adquiridos e distribuídos com recursos do governo federal, por meio do Programa de Aquisição de Alimentos.

A Secretaria de Educação também já distribuiu 737 toneladas de alimentos a alunos matriculados na rede municipal de ensino. E cerca de 1.500 cestas básicas já foram recebidas de parceiros, dentro da própria força-tarefa do Mogi Contra Fome.

Mais informações sobre o Mogi Contra Fome podem ser obtidas pelo telefone 156, da Ouvidoria, na opção 8 do atendimento eletrônico e também pela página do projeto no site da Prefeitura.

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*