Valor da ‘taxa do lixo’, em Mogi das Cruzes, não pode ser de apenas R$ 1, diz vereador

Andou circulando nas redes sociais que a taxa poderia ter um valor simbólico; isso não procede

Por Will Siqueira / Foto: Bruno Arib

Em resposta aos questionamentos feitos pela GAZETA, o presidente da Câmara Municipal de Mogi das Cruzes, Otto Rezende (PSD), explicou, nessa semana, o porquê de a Taxa de Custeio Ambiental, chamada popularmente de “taxa do lixo”, a qual foi determinada por lei pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), não pode ser cobrada a um valor simbólico.

Algumas pessoas de Mogi das Cruzes estão espalhando, via redes sociais, que a prefeitura pode cobrar somente o valor simbólico de R$ 1,00. A população deve entender que a taxa é uma obrigação imposta a todos os municípios, e não é possível fazer uma taxa simbólica, nem um valor fixo. A Lei Federal que estabeleceu o Novo Marco do Saneamento Básico no Brasil determina que os municípios instituam uma cobrança que cubra o custeio real da coleta de resíduos sólidos.

Otto Rezende (PSD) | Foto: Bruno Arib

“Em Mogi das Cruzes, foi colocado um projeto de lei, que está tramitando na Câmara. O Executivo, sabendo dos valores pagos mensalmente para que a coleta de lixo seja feita na cidade, preparou um projeto de lei onde dividiu esse valor pelos munícipes que podem e pagam essa taxa de lixo”, explicou Rezende.

E se o município não instituir a cobrança, a cidade pode ser penalizada com o não-recebimento de benefícios ou repasses federais, pois estará numa situação irregular. “O Marco Zero já indica algumas maneiras de como será cobrado: pode ser cobrado no tamanho dos lotes, no IPTU, na conta de água, de luz; de alguma maneira precisa ser cobrado”, advertiu o vereador.

A Prefeitura de Mogi das Cruzes informou que é importante “ressaltar que todos os municípios brasileiros, sem exceção, terão de cobrar essa taxa de seus habitantes de alguma forma: seja por meio da conta de água, de luz, IPTU etc.” Cada município define a melhor maneira.

VEJA MAIS:

Gazeta Regional

Fundada por Laerton Santos no início dos anos 2000, a GAZETA tem como principal missão integrar as dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, tendo como diferencial o olhar crítico que define a linha editorial do veículo. Em busca de contato cada vez mais próximo com seu público, o jornal tem investido na cobertura diária, utilizando as mídias digitais para esse fim.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*